Notícias

Sindicatos discutem adesão à greve geral; metroviários confirmam paralisação

Sindicato dos Metroviários confirma paralisação total dos trens; adesão dos rodoviários ainda é incerta

Coletiva de imprensa na sede da CUT, em Santo Amaro. Coletiva de imprensa na sede da CUT, em Santo Amaro.  - Foto: Rafael Furtado/ Folha de Pernambuco

O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Metroviários confirmou a paralisação total dos metrôs na Região Metropolitana do Recife na Greve Geral, marcada para a próxima sexta-feira (14). Outra categoria que confirmou adesão total foi a dos professores. As decisões foram tomadas por representantes das Centrais Sindicais de Pernambuco em reunião na sede da CUT, em Santo Amaro, na manhã desta quarta-feira (12).

O diretor do Sindmetro - PE, Angélio Gomes, informou que foi decidida a paralisação total dos trens na sexta-feira (14). "Deliberamos em assembléia na segunda (10) a adesão total. A partir de 0h todo metrô do Recife, e que também corresponde à região metropolitana, estará parado", avisa. O Sindmetro informou ainda que a decisão é de todos os sindicatos de metroviários do país.

Leia também:
Profissionais de educação da rede estadual entram em estado de greve
'Universidade na Rua' em um ato de conscientização sobre a importância da educação


Os rodoviários ainda não se posicionaram se vão aderir à paralisação. Contudo, o presidente da força sindical, Reinaldo Júnior, informa que eles ainda podem dar apoio aos trabalhadores. "Não haverá uma formalização de assembleia para a categoria, mas a diretoria não se indispõe a fazer a grave junto com a classe trabalhadora".

Os professores do Estado já confirmaram adesão total. A Polícia Civil ainda está negociando o papel na Greve Geral, mas é possível que haja uma paralisação parcial, mantendo apenas os serviços emergenciais. Metalúrgicos, bancários e petroleiros do estado da Paraíba e de Pernambuco vão aderir à paralisação - é o que informa o presidente da CUT, Paulo Rocha.

Como principal motivação da greve, Paulo aponta a luta contra à reforma da Previdência e se espelha nos atos que ocorreram em 2017. “Essa reforma da Previdência é a irmã gêmea piorada da reforma de Michel Temer. Ela traz a desconstitucionalização do debate. Ele quer carta branca para fazer o que quiser dentro do congresso”, ressalta.

A manifestação desta sexta-feira deve reunir diversas categorias: trabalhadores, estudantes, sindicatos, organizações feministas. No Recife, atos acontecerão na Cidade ao longo do dia, sendo o maior deles a concentração na Rua do Sol com a Avenida Guararapes, no Centro da Cidade, às 14h.

O interior do estado também planeja atos públicos, de forma que estão previstas mobilizações em 20 cidades em Pernambuco, entre elas, Arcoverde, Belo Jardim e Petrolina.

Veja também

Entidades criticam 'campanha de sabotagem' e pedem avanço na vacinação infantilVacinação

Entidades criticam 'campanha de sabotagem' e pedem avanço na vacinação infantil

Brasil registra 23,7 milhões de casos de Covid-19Pandemia

Brasil registra 23,7 milhões de casos de Covid-19