SAÚDE

Síndrome de Guillain-Barré: quantos casos há no Brasil?

No Brasil são estimados cerca de 535 casos por ano de doença que levou o Peru a declarar emergência

Ministro da Saúde do Peru, César Vásquez Sánchez, visita paciente com síndrome de Guillain-Barré Ministro da Saúde do Peru, César Vásquez Sánchez, visita paciente com síndrome de Guillain-Barré  - Foto: Divulgação/Ministério da Saúde

O governo peruano declarou emergência nacional de saúde por 90 dias, neste domingo, devido a um surto incomum de casos de síndrome de Guillain-Barré, doença autoimune considerada rara que afeta o sistema nervoso. O país registrou a morte de quatro pessoas pela condição.

A síndrome se manifesta como uma fraqueza muscular progressiva que surge em um período de duas a quatro semanas e pode afetar o sistema respiratório. Um de seus sintomas mais frequentes é o formigamento e a falta de força nas extremidades. Ela costuma ser provocada por um processo infeccioso anterior.

Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, diversas infecções são associadas à Síndrome de Guillain-Barré, sendo a causada pelas bactérias Campylobacter, que provoca diarreia, a mais comum. A doença leva o próprio sistema imunológico a atacar partes do sistema nervoso que conectam o cérebro com outras partes do corpo.

Outras infecções encontradas na literatura cientifica que podem desencadear essa doença incluem Zika, dengue, chikungunya, citomegalovírus, vírus Epstein-Barr, sarampo, vírus de influenza A, hepatite A, B, C, HIV, entre outros. Muitos vírus e bactérias já foram associados temporalmente com o desenvolvimento da Síndrome de Guillain Barré, embora em geral seja difícil comprovar a verdadeira causalidade da doença.

Ainda segundo o órgão brasileiro, a maior parte das pessoas percebe como primeiros sintomas da síndrome uma sensação de dormência ou queimação nas extremidades dos membros inferiores (pés e pernas) e, em seguida, nos superiores (mãos e braços).
 

O Ministério afirma que são registrados de 1 a 4 casos da síndrome a cada 100 mil pessoas anualmente no Brasil, especialmente entre os 20 e 40 anos de idade. Levando em conta que o país tem, atualmente, uma população de 214 milhões de habitantes, estima-se que possa ter cerca de 535 casos da doença no país por ano.

Quais são os sintomas da Síndrome de Guillain-Barré?

Sonolência;

Confusão mental;

Coma;

Crise epiléptica;

Alteração do nível de consciência;

Perda da coordenação muscular;

Visão dupla;

Fraqueza facial;

Tremores;

Redução ou perda do tono muscular;

Dormência, queimação ou coceira nos membros.

Dor neuropática lombar (nervos, medula da coluna ou no cérebro) ou nas pernas pode ser vista em pelo menos 50% dos casos. Fraqueza progressiva é o sinal mais perceptível ao paciente, ocorrendo geralmente nesta ordem: membros inferiores, braços, tronco, cabeça e pescoço.

O principal risco é quando ocorre o acometimento dos músculos respiratórios. Nesse último caso, a síndrome pode levar à morte, caso não sejam adotadas as medidas de suporte respiratório, tendo em vista que coração e pulmões param de funcionar.

Segundo o ministério da saúde, aproximadamente 5% a 15% dos casos podem evoluir para óbito, geralmente resultante de insuficiência respiratória, pneumonia aspirativa, embolia pulmonar, arritmias cardíacas e sepse hospitalar.

Tratamento
A síndrome não tem cura, porém há tratamentos que conseguem aliviar os sintomas e impedir o avanço da doença. Ele pode envolver medicamentos como imunobiológicos, procedimentos de transfusão de plasma sanguíneo e técnicas de reabilitação.

No Brasil, a doença não é de notificação compulsória. O país conta hoje com 136 Centros Especializados em Reabilitação, que atendem pacientes com a Síndrome de Guillain-Barré pela rede pública de saúde.

Veja também

Explosão em café deixa cinco mortos na capital da Somália
ATENTADO

Explosão em café deixa cinco mortos na capital da Somália

Militantes fazem ato esvaziado contra Lula e Moraes e com exaltação a Trump
MANIFESTAÇÃO

Militantes fazem ato esvaziado contra Lula e Moraes e com exaltação a Trump

Newsletter