Doença da urina preta

Síndrome de Haff: morre, no Recife, veterinária que comeu peixe arabaiana

A morte de Pryscila Andrade foi informada pela mãe dela, Betânia Andrade, em publicação no Instagram

A veterinária Pryscila Andrade tinha 31 anosA veterinária Pryscila Andrade tinha 31 anos - Foto: Reprodução Instagram

Morreu, nesta terça-feira (2), a veterinária pernambucana Pryscila Andrade, de 31 anos. Ela estava internada desde o dia 20 de fevereiro no Real Hospital Português (RHP), no Recife, após comer peixe arabaiana. 

O quadro clínico de Pryscila era de Síndrome de Haff, conhecida popularmente como "doença da urina preta".

A morte da veterinária foi informada pela mãe dela, Betânia Andrade, em publicação no Instagram.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Betania Andrade (@mbetaniaandrade)

"Hoje o céu estará te recebendo com muita luz na casa do Pai e aqui jamais esqueceremos de sua humildade, caráter, da sua eficiência como profissional", publicou a mãe.

Pryscila e a irmã Flávia Andrade, de 36 anos, comeram peixe arabaiana no dia 18 de fevereiro e começaram a passar mal.

Dois dias depois, com sintomas como aumento da pressão arterial e dores musculares, as duas foram internadas no RHP. Flávia recebeu alta no dia 24 de fevereiro, enquanto Pryscila seguiu internada na UTI.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), há cinco casos de Síndrome de Haff em investigação em Pernambuco, incluindo os dois das irmãs.

Entre 2017 e 2021, foram registrados 15 casos, sendo dez confirmados por critério clínico epidemiológico (4 em 2017 e 6 em 2020) e os cinco deste ano, que ainda estão em investigação. Não há mortes confirmadas pela doença nesse período, segundo a SES-PE.

Veja também

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma
Graduação

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença
Pandemia

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença