GUERRA NO ORIENTE MÉDIO

Sistema de saúde de Gaza foi completamente destruído, afirma especialista da ONU

Os profissionais de saúde estão trabalhando há meses em condições terríveis, sob bombas e com acesso muito limitado a suprimentos médicos

Jovem palestino deita-se no chão enquanto aguarda atendimento médico no hospital Al-Shifa, na Cidade de Gaza Jovem palestino deita-se no chão enquanto aguarda atendimento médico no hospital Al-Shifa, na Cidade de Gaza  - Foto: AFP

A ofensiva de Israel em Gaza tem sido, desde o início, uma "guerra contra o direito à saúde", afirmou um especialista da ONU nesta segunda-feira (22), dizendo que o sistema de saúde do território palestino foi "completamente destruído".

Poucos dias após o início da ofensiva, que começou com o ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro, "a infraestrutura médica foi irreparavelmente danificada", disse a relatora especial da ONU, Tlaleng Mofokeng, em Genebra.

Os profissionais de saúde estão trabalhando há meses em condições terríveis, sob bombas e com acesso muito limitado a suprimentos médicos, disse ela.

"Esta tem sido uma guerra contra o direito à saúde desde o início", disse Mofokeng, uma especialista independente nomeada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, mas que não fala em nome das Nações Unidas.

"O sistema de saúde em Gaza foi completamente destruído, e o direito à saúde foi dizimado em todos os níveis", acrescentou.

A guerra começou com o ataque do Hamas, o mais sangrento desde a criação do estado de Israel em 1948, que matou 1.170 pessoas, a maioria civis, de acordo com um balanço da AFP baseado em dados oficiais.

As operações aéreas e terrestres do Exército israelense em Gaza deixaram mais de 34.000 pessoas mortas, a maioria mulheres e crianças, de acordo com o Ministério da Saúde do território.

Os hospitais de Gaza têm sido atacados repetidamente. Israel acusa o Hamas de usá-los como centros de comando e para manter reféns sequestrados em 7 de outubro, alegações que os milicianos negam.

A especialista disse que não recebeu nenhuma resposta de Israel às preocupações que levantou sobre a situação e que não pôde visitar o território palestino nem Israel.

Mas ela afirmou que estava claro que Israel estava "matando e causando danos irreparáveis aos civis palestinos com seus bombardeios".

"Eles também estão impondo intencionalmente a fome, a desnutrição prolongada e a desidratação", acrescentou, acusando Israel de "genocídio".

A situação atual em Gaza, segundo ela, "é totalmente incompatível com o direito à saúde".

Veja também

Peregrinos brasileiros visitam a cidade do primeiro milagre reconhecido pela Igreja Católica
Itália

Fiéis brasileiros visitam cidade do primeiro milagre reconhecido pela Igreja Católica; saiba onde é 

Qual o melhor lugar para instalar o roteador do Wi-Fi em casa? Veja recomendações
tecnologia

Qual o melhor lugar para instalar o roteador do Wi-Fi em casa? Veja recomendações

Newsletter