Sítio Histórico de Olinda está sem videomonitoramento

'A quase um mês' do Carnaval, as 40 câmeras instaladas na localidade estão com defeito

Arrastão em OlindaArrastão em Olinda - Foto: Priscilla Aguiar/Folha de Pernambuco

A área do Sítio Histórico de Olinda - palco não só de uma das maiores atrações de Carnaval do Estado, mas também das prévias - está sem monitoramento com câmeras de vigilância. A informação foi confirmada, nesta segunda-feira (23), pelo comandante-geral da Polícia Militar (PM), coronel Carlos D'Albuquerque. No domingo (22), a Cidade Alta registrou casos de violência, brigas e até tiros. 

Leia mais:
Folia interrompida por tiros e arrastões no Sítio Histórico de Olinda; veja vídeo


"A SDS (Secretaria de Defesa Social) e o Ciods (Centro Integrado de Operações de Defesa Social) está fazendo esforços para reativar 40 câmeras, que hoje estão com defeito. Enquanto não funciona, infelizmente o monitoramento é feito pelo efetivo que está na rua", disse o coronel. Ainda segundo D'Albuquerque, a previsão é que os equipamentos voltem a ser ativados nos próximos 15 dias - ou seja, até meados de fevereiro.

Apesar do prazo divulgado pela PM, o Carnaval já dá seus primeiros passos no Sítio Histórico - e a violência acompanha os foliões. Neste domingo (22), quem foi a Olinda em busca de festa e diversão encontrou também brigas, tiros e medo nas ladeiras da Cidade Alta.

Houve correria e até invasão ao Consulado do Uruguai, que fica na rua Prudente de Morais, e policiais militares também entraram no local em busca de um suspeito. Foliões também avistaram gente com garrafa de vidro, pedaço de madeira e faca nas mãos.

Confira o vídeo feito pelo Folhape:



De acordo com a PM, 80 policiais circulam pelo Sítio Histórico durante o fim de semana, mas os números deste domingo teriam superado 100 agentes. "Todas as ocorrências tiveram presença da polícia. Se não para evitar, mas para reprimir", comenta o coronel.

O comandante-geral ainda relatou o problema de uso e venda de garrafas de vidro em Olinda durante as prévias. "No Carnaval, isso é regra: não se deve comercializar vidro, que são armas. É uma questão cultural, é preciso mudar para materiais de plástico", afirma.

Veja também

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra Influenza
Saúde

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra Influenza

Índia registra recorde de 200 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas
PANDEMIA

Índia registra recorde de 200 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas