Só estado de calamidade não resolve o problema

Governadores correm o risco de banalizar o "estado de calamidade" se ele não vier acompanhado de socorro financeiro

AliadosAliados - Foto: Divulgação

Inspirados em Francisco Dornelles, governador interino do RJ, que a 49 dias do início das Olimpíadas assinou decreto colocando a unidade federativa em “estado de calamidade pública”, face ao estrangulamento total de suas finanças, 14 governadores do Norte e Nordeste, entre eles o pernambucano Paulo Câmara, pretendem fazer o mesmo em seus estados. Eles também decretariam “estado da calamidade pública” como forma de pressionar o presidente Michel Temer a socorrê-los, já que muitos encontram dificuldades até para pagar a folha de pessoal. No entanto, é preciso cautela para que essa medida não seja banalizada, sem consequência prática alguma. No caso do Rio, o governo federal foi obrigado a socorrê-lo com R$ 2,9 bilhões para não tirar o brilho das Olimpíadas. No caso dos outros 14 estados, o risco que os governadores correm é assinar o decreto e ficar tudo por isso mesmo, ou seja, sem socorro financeiro algum.

O reacionarismo das Centrais

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) define como “reacionária” a resistência das centrais sindicais às reformas trabalhista e previdenciária que o governo Temer deseja implementar. Diz que a esquerda brasileira “envelheceu” porque mantém os mesmos conceitos que defendia na década de 50. Exemplo? A UGT comprou uma página na Folha de São Paulo (13/9) para dizer que é contra as duas reformas.

Concessões > Até no “pacote de concessões” do governo Temer ficou claro que o Nordeste é o “primo pobre” da federação. À exceção dos aeroportos de Salvador e Fortaleza e de uma mina de fosfato entre PE e PB, todos os outros 31 projetos que serão oferecidos à iniciativa privada ficam no Sul, Sudeste, Norte e Centro-Oeste.

Fantasma > O crescimento do Professor Lupércio (SD) na disputa pela prefeitura de Olinda continua assustando os candidatos Izabel Urquiza (PSDB), Antonio Campos (PSB) e Ricardo Costa (PMDB).

Pé no chão > Paulo Câmara fez caminhada ontem em Ipojuca com o prefeito e candidato à reeleição Carlos Santana (PSDB), cuja disputa com o ex-vereador Romero Sales (PTB) está acirrada.

Clássico > Como já é tradição no município, Lajedo terá este ano uma das eleições mais disputadas do Agreste Meridional entre o prefeito Rossine Blesmany (PSD) e o ex Antonio João Dourado (PSB).

Previsão > Pelos cálculos de Marcelo Soares (PCdoB), presidente da Câmara de Olinda, a eleição está com “cara de 2º turno” entre Luciana Santos (PCdoB) e Izabel Urquiza (PSDB). Ele não subestima a força de Lupércio (SD), que foi vereador antes de ser deputado estadual, mas o acha muito preso aos evangélicos.

Enxame > Depois de Olinda, a cidade pernambucana com o maior número de candidatos a prefeito é Ouricuri, no sertão do Araripe: oito. Os mais fortes são o prefeito Cézar de Preto (PSB), que tem o apoio de 13 partidos e o ex-prefeito Ricardo Ramos (PSDB), que é apoiado por seis e o pai, o ex-prefeito Biu Ramos.

Despolitização > Nunca, antes, na história política do Recife, houve uma eleição para prefeito tão despolitizada quanto a atual. O debate sobre construção de creches, escolas, postos de saúde e ciclovias é importante, mas falta uma “pitada política” para diferenciar os candidatos. Já a “overdose” de inserções nas emissoras de rádio reduziu drasticamente a audiência, segundo atestam candidatos a prefeito e vereador da área metropolitana.

Veja também

Programa incentiva reinserção de reeducandas do sistema prisional no mercado de trabalho
Oportunidade

Programa incentiva reinserção de reeducandas do sistema prisional no mercado de trabalho

Uso de fogos no período de campanha eleitoral gera preocupação com os pets; entenda os perigos
Folha Pet

Uso de fogos no período de campanha eleitoral gera preocupação com os pets; entenda os perigos