Coronavírus

Sob novos surtos, Europa reduz lista de países com entrada liberada

A relação de países é revisada periodicamente e se refere às viagens consideradas não essenciais

Passageiros desembarcam em aeroporto de Manchester, na InglaterraPassageiros desembarcam em aeroporto de Manchester, na Inglaterra - Foto: Anthony Devlin / AFP

A União Europeia tirou Argélia, Montenegro e Sérvia da lista de países para a qual recomenda a abertura de fronteiras externas. Em vez de 14 nações, a relação agora tem apenas 11: Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Tailândia, Tunísia e Uruguai.

No caso da China, a entrada de viajantes dependerá do princípio da reciprocidade: a permissão será dada aos países cujos residentes tenham entrada autorizada na nação asiática. O Reino Unido, que até o final deste ano está em fase de transição do brexit, foi considerado para essa decisão como membro da UE. Andorra, Mônaco, San Marino e Vaticano também terão entrada liberada de acordo com a recomendação, que vale a partir desta sexta (31).

A relação de países é revisada periodicamente e se refere às viagens consideradas não essenciais, como as de turismo. Há exceções para vários casos, entre eles o de estudantes. Para montar a lista, os membros da UE seguiram critérios epidemiológicos como a curva do contágio no país e o número de novas contaminações. Também levaram em conta a confiabilidade dos números de cada país, a capacidade de realizar testes e de rastrear contatos dos infectados e as regras de prevenção em vigor, "bem como considerações econômicas e sociais", segundo a UE.

Em relação à situação epidemiológica, o critério é que o número de novos casos de coronavírus por 100 mil habitantes nas duas semanas anteriores esteja abaixo de 16, que era a média da UE no dia 15 de junho, quando a primeira lista foi lançada.

Nos 14 dias encerrados em 31 de julho, o número do Brasil era 18 vezes o limite máximo estipulado: 283 novos casos por 100 mil habitantes, o sexto maior do mundo, atrás de Quirguistão, Bahrein, Omã, Panamá e Isral. Em sétimo, os Estados Unidos registraram 279 nvos casos por 100 mil habitantes.


Com entrada liberada pela UE, o Canadá tinha número levemente superior ao limite: 17/100 mil habitantes. Argélia, que foi retirada da lista, somou 19/100 mil. Montenegro registrou 230 novos casos/100 mil habitantes, e a Sérvia, 80/100 mil. Apontada como um dos casos mais preocupantes de novos focos hoje na Europa, a Espanha somou 56 novos casos/100 mil habitantes, sete vezes o índice alemão, de 8/100 mil.

Como a gestão de fronteiras é uma competência nacional, e não da União Europeia, alguns países membros têm recusado mesmo a entrada de visitantes de países que integram a lista dos liberados. Os países se comprometeram, em tese, a não aceitar residentes de outros locais, o que inclui Brasil e EUA.

O critério comum para as fronteiras externas é importante por causa da zona Schengen, território em que não há controle de passaportes nas fronteiras internas: os países que integram esse grupo precisam estar seguro em relação à ação dos que estão nos limites externos. Islândia, Lichtenstein, Noruega e Suíça, que não fazem parte da UE, mas integram a Schengen, também participam da recomendação.

Segundo o bloco, as restrições de viagem podem ser total ou parcialmente levantadas ou reintroduzidas para um país terceiro específico já listado, se suas condições mudarem. "Se a situação em um país terceiro listado piorar rapidamente, deve ser aplicada uma tomada de decisão rápida", afirma o documento.

As fronteiras externas da UE e da zona Schengen foram fechadas em 17 de março, durante a pandemia, e reabertas parcialmente em 1º de julho.

Veja também

Trump é escoltado de conferência de imprensa na Casa Branca por segurança
eua

Trump é escoltado de conferência de imprensa na Casa Branca por segurança

Brasil quer reativar organização para recuperar protagonismo internacional na Amazônia
brasil

Brasil quer reativar organização para recuperar protagonismo internacional na Amazônia