ESPAÇO

Sonda dos EUA que pousou na Lua levou esculturas e pen-drive com a bandeira do Brasil

Empresa Intuitive Machines conseguiu alunissar no satélite natural o primeiro artefato americano desde as missões Apollo

Arte divulgada pela Intuitive Machines do lander na LuaArte divulgada pela Intuitive Machines do lander na Lua - Foto: Divulgação

A empresa privada norte-americana Intuitive Machines pousou, nesta quinta-feira (22), uma sonda na lua, marcando o retorno da presença dos Estados Unidos no satélite natural da Terra após 52 anos das missões Apollo. A missão IM-1 tocou no solo lunar por volta de 20h24, com o módulo de pouso Nova-C, de formato hexagonal e chamado de "Odysseus".

O módulo de alunissagem tem forma de hexágono com 4,3 metros de altura, equivalente ao tamanho de um carro pequeno, e seis pernas de pouso. A nave é equipada com um motor de metano líquido e oxigênio super-resfriado que forneceu a potência para chegar rapidamente ao seu destino, evitando uma longa exposição à região de alta radiação ao redor da Terra, conhecida como cinturão de Van Allen.

As cargas a bordo
Entre os equipamentos estão uma câmera estéreo para observar a nuvem de poeira levantada durante o pouso e um receptor de rádio para medir os efeitos de partículas carregadas nos sinais de rádio, na superfície da lua. Há também cargas de outros clientes que não a NASA, como uma câmera construída por estudantes da Embry-Riddle Aeronautical University, em Daytona Beach, Flórida.

A Nasa pagou US$ 118 milhões de dólares (R$ 586 milhões) a Intuitive Machines para o transporte de equipamentos científicos até o satélite natural, para ajudar a compreender de modo mais eficiente e mitigar os riscos ambientais para os astronautas.

Imagem da bandeira do Brasil na Lua

Mas a nave transporta uma carga mais colorida, incluindo um arquivo digital do conhecimento humano e 125 pequenas esculturas da Lua do artista Jeff Koons. Após o pouso, as cargas devem operar por sete dias, antes do início da noite lunar no polo sul, quando Odysseus ficará inoperante.

A nave também levou até a Lua uma espécie de pen-drive que contem uma imagem da bandeira do Brasil preenchida com várias fotos enviadas por brasileiros. A iniciativa custou R$ 2 milhões e faz parte de um projeto privado em referência aos 200 anos da Independência do Brasil.

O desafio de pousar na Lua
Essa é a segunda tentativa de uma empresa privada neste ano, após o fracasso de outro grupo em janeiro. A primeira, da empresa Astrobotic, foi lançada em janeiro, mas a nave Peregrine sofreu um vazamento de combustível e seu módulo de pouso teve que ser destruído deliberadamente em pleno voo.

A alunissagem suave é um desafio porque implica navegar em um terreno instável, com um atraso de vários segundos na comunicação com a Terra, e utilizar os propulsores sem a presença de uma atmosfera que suporte paraquedas.

No ano passado, o módulo japonês Hakuto-R, da empresa Ispace, ficou sem combustível por conta de um erro de cálculo de altitude durante uma tentativa de pouso na Lua. Já a companhia israelense SpaceIL quase conseguiu concluir sua missão em 2019, mas falhou a poucos metros do pouso.

Apenas cinco países conseguiram tal feito: a União Soviética foi a primeira nação, seguida pelos Estados Unidos, que até hoje é o único país a colocar pessoas na superfície lunar.

A China já posou três vezes desde 2013, a Índia conseguiu em 2023 e o Japão em fevereiro do ano passado, embora o módulo nipônico tenha enfrentado dificuldades para permanecer ativado.

Veja também

Irã pediu ajuda aos EUA após acidente que matou Raisi
Ajuda

Irã pediu ajuda aos EUA após acidente que matou Raisi

Peregrinos brasileiros visitam a cidade do primeiro milagre reconhecido pela Igreja Católica
Itália

Peregrinos brasileiros visitam a cidade do primeiro milagre reconhecido pela Igreja Católica

Newsletter