Sport com "um olho no peixe, outro no gato" e o dedo na calculadora

Folha de Pernambuco analisa o caminho de cada um dos seis times que travam a inglória batalha contra a degola para a Série B

Família fizeram manifestação em frente à Prefeitura do RecifeFamília fizeram manifestação em frente à Prefeitura do Recife - Foto: Beto Figueiroa/Divulgação

 

Chegado os cinco últimos rounds do Brasileirão, a inglória batalha contra o rebaixamento segue repleta de emoção, virtualmente com seis clubes lutando para não ocupar as duas vagas restantes na zona de degola, já que Santa Cruz e América/MG são nomes praticamente certos no descenso, com a confirmação matemática podendo acontecer já na próxima rodada. Para nortear o nosso querido leitor nessa luta, a Folha de Pernambuco fez um balanço do que cada um dos candidatos (Cruzeiro, Sport, Coritiba, Internacional, Vitória e Figueirense) terá pela frente nesta reta final, com a sequência de jogos e as probabilidades nos cálculos.

É a hora de o torcedor ficar com um olho no peixe e outro no gato, com atletas, gramado e bola dividindo as atenções com a velha calculadora. É importante ressaltar que os matemáticos de plantão cravam o número 45 como pontuação mínima para não terminar o Brasileirão na Z4.
Comecemos pelo clube local. Com apenas 9,1% de probabilidade de cair, segundo o site especializado Chance de Gol, o Sport tem uma sequência de dificuldade média. Se por um lado ele encara dois times da primeira página da tabela nas próximas duas rodadas e fora de casa (Grêmio e Atlético/PR), nas últimas três terá apenas equipes “rebaixáveis”, com Cruzeiro e Figueirense, na Ilha do Retiro, além do América/MG, em clima de fim de festa, na penúltima rodada, no Independência. Uma vitória e dois empates ou duas vitórias livrariam o Leão da queda, segundo os matemáticos. A missão parece simples, mas no futebol a lógica é constantemente posta de lado.

Com as sequências mais duras estão Cruzeiro e Internacional. No lado da Raposa, com 1,9% de chance de queda, a vantagem de jogar três dos cinco duelos dentro de casa. Porém, entre os “rebaixáveis”, os mineiros encaram apenas Sport e o próprio Colorado.

Já os gaúchos, que somam 27,8% de probabilidade de queda, atuarão apenas em duas ocasiões em seus domínios. Além disso, enfrenta nada menos que quatro times que estão na primeira metade da tábua de classificação. O empate com o Santa Cruz, no último sábado, não estava nas contas Inter.
Dos que se encontram em situação mais delicada na competição, mas que teoricamente possuem uma sequência mais suave, estão Vitória e Figueirense. Com três jogos em casa, os baianos podem torcer para que o Palmeiras carimbe antecipadamente o título, já que as duas equipes se enfrentam na última rodada. Com 56% de chance de queda, a equipe de Argel Fucks tem boa chance de sair da Z4 nesta próxima rodada, precisando vencer o Atlético/PR e secar o Internacional contra o Palmeiras, no Allianz Parque.

Computando 96% de probabilidade de rebaixamento, o Figueira, apesar da situação mais do que delicada, tem dois concorrentes diretos e a Chapecoense, que já não almeja grandes objetivos. Por último, o Coritiba, com 8,9% de possibilidade de cair, tem a seu favor jogar três em casa, mas também tem uma sequência de dificuldade mediana.

Rodney Wallace
Não bastasse a possibilidade de perder o volante Rithely e o meia Diego Souza para o resto do Brasileirão, já que ambos serão julgados pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nesta quinta-feira, pelas declarações concedidas após o jogo contra o Palmeiras, o Sport vai ficar sem o lateral-esquerdo/meia Rodney Wallace pelos próximos dois confrontos. Convocado novamente pela seleção da Costa Rica para as partidas contra Trinidad e Tobago, no dia 11, e Estados Unidos, no dia 15, pelas duas rodadas das eliminatórias da Concacaf para a Copa do Mundo, o jogador não encara Grêmio e Atlético/PR. Para a sua vaga, o mais provável é que Gabriel Xavier ganhe uma nova chance como titular nestes dois compromissos.

 

Veja também

Senadores querem legislação para o Pantanal pronta em até 45 dias
Pantanal

Senadores querem legislação para o Pantanal pronta em até 45 dias

Na mira da gestão Bolsonaro, sistema de monitoramento brasileiro é único
Inpe

Na mira da gestão Bolsonaro, sistema de monitoramento brasileiro é único