STF dá 48 horas para governo opinar sobre uso de fundo da Petrobras em combate a incêndios

O uso de R$ 2,5 bilhões pagos pela estatal em multa durante a operação no enfrentamento às queimadas foi sugestão do presidente da Câmara

Imagem de satélite das queimadas da AmazôniaImagem de satélite das queimadas da Amazônia - Foto: HO / NOAA / AFP

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou que a Procuradoria-Geral da República, a Advocacia Geral da União e o Ministério da Economia se manifestem em até 48 horas sobre a proposta de usar recursos recuperados da Petrobras pela Lava Jato no combate aos incêndios da Amazônia.

O uso de R$ 2,5 bilhões pagos pela estatal em multa durante a operação no enfrentamento às queimadas foi sugestão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que fez uma petição sobre o assunto ao Supremo.

Alexandre de Moraes é o relator do caso. Ele impediu que o dinheiro fosse usado pela força-tarefa da Lava Jato em um fundo que seria criado e supervisionado pelos procuradores de Curitiba.

Leia também:
Acendeu a luz vermelha do agronegócio, diz Marcos Jank sobre queimadas na Amazônia
Países da América do Sul se mobilizam contra incêndios florestais
Acre entra em emergência por incêndios; governo diz que pode faltar água 

Até a PGR, na ocasião, considerou a destinação pretendida por Deltan Dallagnol como irregular. Desde então, o dinheiro está sob a guarda do STF.

Veja também

Novos polos da Academia da Cidade reabrem nesta segunda (28)
Recife

Novos polos da Academia da Cidade reabrem nesta segunda (28)

Onze mortos, entre eles dois bebês gêmeos, em deslizamento de terra na Indonésia
Mundo

Deslizamento de terra na Indonésia mata 11, entre dois bebês