'STJ será rápido em caso Lula', diz presidente da corte

A previsão é de que o caso seja analisado até o fim do ano

O ministro afirmou que o caso será analisado até o final do anoO ministro afirmou que o caso será analisado até o final do ano - Foto: Geraldo Magela / Agência Senado

O ministro João Otávio de Noronha, presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), disse nesta quarta-feira (5) que o recurso especial do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva será julgado "em 30 ou 40 dias" depois que chegar à corte. A previsão, segundo ele, é que o caso seja analisado até o fim do ano.

O ex-presidente está preso desde 7 de abril, depois de ser condenado e de ter um recurso rejeitado pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal), a segunda instância da Lava Jato. Ele foi condenado em janeiro a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP).
A defesa recorreu, mas o recurso está no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) e não foi remetido para o STJ.

Leia também:
PGR prorroga força-tarefa da Lava Jato por mais um ano
Defesa de Lula recorre ao Supremo para que ele possa disputar eleição

"Não chegou ao STJ. Chegando ao STJ, posso afirmar a vocês, em 30, 40 dias esse processo estará julgado", afirmou. A condenação de Lula na segunda instância o colocou em condição de inelegibilidade, por esbarrar na lei da Ficha Limpa. Na semana passada, o TSE barrou o pedido de registro de candidatura feito pelo petista para concorrer à Presidência.

Se o recurso for acatado e o STJ suspender a condenação
, Lula deixa de ter a condição de inelegibilidade. Assim, a defesa alega que ele poderia concorrer sub judice, pois a condenação poderia ser revertida. "A pauta do Brasil não pode ficar em torno de Lula", acrescentou. "A Lava Jato foi um bom exemplo, mas precisamos retomar as discussões para o Brasil. Penso ter cabimento uma reforma no Judiciário", disse Noronha.

Veja também

Confaz aprova isenção do oxigênio hospitalar
Coronavírus

Confaz aprova isenção do oxigênio hospitalar

Prefeitura do Recife cria canal de denúncias de 'fura filas' na vacinação
Vacinação

Prefeitura do Recife cria canal de denúncias de 'fura filas' na vacinação