Falhas

Submarino que leva turistas aos destroços do Titanic já teve falha de comunicação e se perdeu

Embarcação não tem GPS e é guiada por mensagens de texto; em expedição acompanhada pela CBS News, o veículo submersível ficou sem contato por duas horas e meia

Submersível da OceanGate leva turistas aos destroços do TitanicSubmersível da OceanGate leva turistas aos destroços do Titanic - Foto: Reprodução

Desaparecido nesta segunda-feira, o submersível usado para levar turistas aos destroços do Titanic já havia apresentado falha na comunicação e ficado perdido submerso. Os problemas técnicos aconteceram durante uma expedição acompanhada pela rede de televisão americana CBS News, em novembro do ano passado. Na ocasião, o submarino da empresa OceanGate ficou duas horas e trinta minutos perdido no fundo do Oceano Atlântico.

O repórter David Progue participou da viagem exploratória e publicou seu relato em 22 de novembro de 2022. Na reportagem, o jornalista conta que o submersível da OceanGate não possui GPS e é guiado por mensagens de texto enviadas de um barco que fica na superfície da água.

— Mas neste mergulho, as comunicações de alguma forma foram interrompidas. O submarino nunca encontrou os destroços — disse Progue, na reportagem.

— Estávamos perdidos — comentou Shrenik Baldota, magnata da indústria indiana que também participou da expedição. — Ficamos perdidos por duas horas e meia — acrescentou.

Progue recordou nesta segunda-feira da viagem fracassada rumo aos destroços do Titanic. "Você deve se lembrar que o submersível da @OceanGateExped para o Titanic também se perdeu por algumas horas no verão passado, quando eu estava a bordo", escreveu no Twitter.

Passeios custam R$ 1 milhão
Criada em 2009, a empresa OceanGate oferece um passeio ao ponto do naufrágio, que leva oito dias e custa cerca de US$ 250 mil, o equivalente a R$ 1,19 milhão. O pacote também pode incluir um mergulho de oito horas até os destroços da embarcação inglesa.

Titanic: Submarino que levava turistas até destroços desaparece; passeio custa R$ 1 milhão e dura 8 dias

O Titanic, operado pela White Star Line, afundou em sua viagem inaugural pelo Oceano Atlântico em 1912, após colidir com um iceberg. Mais de 1.500 pessoas morreram. O famoso naufrágio fica a 3.800 m no fundo do Atlântico. Os restos do maior navio da sua época ficam a cerca de 600 km da costa de Newfoundland, no Canadá.

OceanGate Expeditions, uma empresa privada que implanta submersíveis para expedições em alto mar, publicou recentemente nas redes sociais que uma de suas expedições estava "em andamento".

O submersível pode acomodar cinco pessoas, diz a empresa, que geralmente inclui um piloto, três convidados pagantes e um especialista. Até o momento não foi revelado quantas pessoas estão a bordo da embarcação.

A empresa que opera o submersível desaparecido diz que está “explorando e mobilizando todas as opções” para trazer a tripulação de volta com segurança.

“Todo o nosso foco está nos tripulantes do submersível e suas famílias”, disse a OceanGate em um comunicado, que acrescenta ter recebido “extensa assistência” de “várias agências governamentais e empresas de alto mar” em seus esforços para restabelecer o contato com o submersível.

“Estamos trabalhando para o retorno seguro dos tripulantes”.

Veja também

Ipea estima 24 mil homicídios não registrados no país de 2019 a 2022
IPEA

Ipea estima 24 mil homicídios não registrados no país de 2019 a 2022

Aborto legal: Federação Internacional de Ginecologia condena restrição no Brasil
DIREITOS HUMANOS

Aborto legal: Federação Internacional de Ginecologia condena restrição no Brasil

Newsletter