Suécia reconhece problema no combate à Covid-19, mas defende estratégia sem 'lockdown'

O médico responsável pela estratégia da Suécia de não adotar o "lockdown" reconheceu que o país enfrenta problemas no combate à pandemia

[1250] suécia[1250] suécia - Foto: Jonathan NACKSTRAND / AFP

O médico responsável pela estratégia da Suécia de não adotar o "lockdown" reconheceu nesta quarta-feira (3) que o país enfrenta problemas no combate à pandemia do novo coronavírus. O epidemiologista Anders Tegnell, porém, voltou a defender as medidas do governo e deixou claro que não considera o fechamento total do país como uma opção.

"Se encontrássemos a mesma doença, com exatamente o que sabemos hoje, acho que buscaríamos o meio do caminho entre o que a Suécia fez e o que o resto do mundo fez", afirmou ele em entrevista à rádio estatal do país. O médico afirmou que o número de mortes pelo novo coronavírus no país está muito alto e "que obviamente há potencial para melhorar o que fizemos".

De acordo com o jornal britânico The Guardian, a Suécia teve 5,29 mortes causadas por Covid-19 por milhão de habitantes entre 27 de maio e 2 de junho, o número mais alto do mundo -o Brasil teve 4,34 mortes por milhão de habitantes no mesmo período.

Leia também:
São Paulo tem recorde de mortes e de novos casos de coronavírus em um dia
Balanço da quarentena aponta crescimento do isolamento social

No total, a Suécia teve 38.589 casos confirmados da Covid-19 e 4.468 mortes.
O país escandinavo foi citado por diversas vezes pelo presidente Jair Bolsonaro como exemplo no combate ao novo coronavírus por não ter decretado o '"ockdown".

De fato, a estratégia desenhada por Tegnell não incluiu a medida, que foi implementada em grande parte da Europa. Mas o governo impôs uma série de regras de distanciamento social, em especial na capital, Estocolmo. Segundo o médico, ainda é difícil saber quais medidas exatamente funcionaram no combate ao novo coronavírus pelo mundo. Isso porque a maioria dos países implementou ao mesmo tempo muitas ações contra a Covid-19. "O problema disse é que você realmente não sabe qual das medidas que você tomou foram mais eficazes", disse.

Para Tegnell, agora que os países estão retirando as medidas uma por uma, será possível entender o que de fato funcionou e "o que, além do que fizemos, poderíamos ter feito além do fechamento total".

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Pernambuco registra 1.450 novos casos e 29 óbitos por Covid-19
Coronavírus

Pernambuco registra 1.450 novos casos e 29 óbitos por Covid-19

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos
Saúde

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos