Suspeitos de hackear a Lava Jato relatam maus tratos de policiais federais após prisão

Alguns dos suspeitos afirmaram que foram impedidos de ligar para seu advogado

HackersHackers - Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Dois dos quatro presos sob suspeita de envolvimento em ataques hackers contra autoridades, como o ministro Sergio Moro (Justiça), relataram à Justiça, nesta terça (30), que sofreram maus tratos. O depoimento foi prestado nesta manhã ao juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília.

Os suspeitos Gustavo Henrique Elias Santos, 28, e Suelen Oliveira, 25, foram os únicos a relatar uma série de condutas dos policiais que consideraram maus tratos. Eles afirmaram que foram impedidos de ligar para seu advogado, Ariovaldo Moreira, que acompanhou a audiência nesta manhã.

"Os policiais entraram em casa, já fui agredido verbalmente desde o momento que estouraram a porta, porque eu estava dormindo. Desde o começo eu colaborei, deixei eles super à vontade, mas fui bem agredido verbalmente. 'Hacker, bandido, tá preso, perdeu'", narrou Elias Santos.

"Eu estava dormindo pelado, e não deixavam de jeito nenhum eu pôr uma roupa. Não deixaram eu colocar uma cueca. Depois de algum tempo me deram uma roupa, eu já algemado. Eu disse que queria conversar com meu advogado, queria saber o que estava acontecendo. A primeira coisa que falaram: 'Você que é o hacker'. Desde o momento que entraram em casa eu pedi para ligar para meu advogado, conversar com minha mãe, e não deixaram", queixou-se.

Leia também:
Ligações para Moro e bloqueio de telefone deram caminho até hackers
Sob pressão, operadoras bloqueiam ligações para tentar barrar hackers
OAB diz que Moro 'banca o chefe de quadrilha' em caso de hackers


Para Elias Santos, os supostos maus tratos foram desnecessários. Ele também se referiu a seu amigo Walter Delgatti Neto, 30, também presos, como "o principal culpado".

Suelen começou o depoimento chorando. Disse que só pôde tomar banho depois de dois dias presa, e por determinação do delegado Luís Flávio Zampronha, que conduz o inquérito.

"Me trataram mal, fizeram muitas piadinhas, fiquei sem papel higiênico, sem absorvente, tive que tomar água do chuveiro", disse Suelen. "Não quero voltar mais lá [na penitenciária feminina do Distrito Federal]. Eu não tenho nada a ver com isso", afirmou, chorando.

O Ministério Público solicitou cópias dos depoimentos de Elias Santos e Suelen para abrir inquérito para investigar os supostos maus tratos cometidos pelos agentes de segurança.

Diferentemente, os outros dois presos, Danilo Marques e Walter Delgatti Neto, não relataram maus tratos nem coação por parte dos policiais.Delgatti disse que prestou seu primeiro depoimento à PF, no dia em que foi preso, por livre e espontânea vontade, embora tenha ressaltado que estava tenso por causa do clima da prisão e sem os remédios de uso controlado que costuma tomar.

Questionado por seu advogado sobre eventual pressão psicológica, Delgatti respondeu que o procedimento foi "tranquilo". "Não fui coagido, mas eu estava naquele clima [do momento da prisão], e sem medicamentos também", disse.

Veja também

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País
Educação

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País

Letalidade da Covid-19 no Brasil está em torno de 3%
Coronavírus

Com quase 137 mil mortos pela Covid-19, Brasil tem taxa de letalidade em torno de 3%