Suspender confinamento antes da hora pode inviabilizar programa de testes, diz OCDE

O número de testes necessários depende da etapa em que cada país se encontra na evolução da epidemia, afirma Frederico Guanais, diretor-adjunto da divisão de saúde da OCDE

Sede OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico)Sede OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) - Foto: Reprodução/Instagram

Em países em que a transmissão do coronavírus já se acelerou, suspender medidas de confinamento antes da hora pode inviabilizar o uso de testes como estratégia de combate à pandemia, dizem duas instituições que publicaram recomendações nesta segunda (20): a ECDC (agência europeia de controle de doenças) e a OCDE (organização que reúne 36 dentre os maiores países do mundo).

Segundo as instituições, testes exigem planejamento e investimento alto em equipamento, reagentes e mão de obra, o que pode impedir o uso em grande escala em países que já passaram da primeira fase da epidemia, quando os casos ainda são esporádicos.

O número de testes necessários depende da etapa em que cada país se encontra na evolução da epidemia, afirma Frederico Guanais, diretor-adjunto da divisão de saúde da OCDE.

Leia também:
Dados parciais indicam forte piora do desemprego em março, diz OCDE
Europa inicia desconfinamento de alto risco


"A Coreia do Sul agiu muito rapidamente, no início do surto, para testar, localizar e rastrear o foco das infecções. Com menos testes por habitantes que a Islândia, a Suíça ou a Alemanha, conseguiram contê-lo de forma eficaz", diz ele.

Até esta segunda, o país asiático havia executado 1.098 testes por 100 mil habitantes. A Islândia, que ocupa o primeiro lugar no mundo, fez 12.643. A Suíça registra 2.593, e a Alemanha, 2.093. Em países com número relevante de infecções, se as medidas restritivas durarem até que não haja mais pressão sobre o sistema de saúde, o número de testes pode ser reduzido, o que facilita sua adoção.

Independentemente da etapa em que for adotada, a estratégia exige testar quase todas as pessoas que apresentem sintomas semelhantes aos da gripe, localizar todos resultados positivos para garantir que estão em quarentena e rastrear algo entre 70% e 90% de seus contatos, que também devem ser testados, afirma Guanais.

Segundo a ECDC, para quebrar a cadeia de transmissão é preciso garantir três passos: 1) identificar os contatos dos casos suspeitos e confirmados de Covid-19; 2) colocar os contatos em autoisolamento, informar sobre medidas de higiene e proteção e ações se desenvolverem sintomas; 3) testar todos os que tiverem sintomas.

A agência também alerta que governos devem reforçar sua estrutura para implantar um programa de testes. Além disso, segundo a OCDE, fazer testes em larga escala exige um planejamento bem elaborado, para que os fornecedores consigam prever a demanda e investir corretamente no aumento de capacidade de produção.

Países desenvolvidos, como o Reino Unido, não conseguiram cumprir suas metas de ampliação do programa de testes, por vários gargalos como falta de laboratórios, de kits, reagentes e mão de obra treinada. O país pretendia atingir os 25 mil testes diários em 15 de abril, mas realizou menos da metade nessa data.

Em países menos desenvolvidos, pode haver obstáculos maiores, diz a OCDE: restrições orçamentárias, menor capacidade institucional para coordenar a compra de equipamentos e insumos, menos capacidade de processamento em laboratórios, menos gente treinada para coletar amostras, processá-las e analisar os resultados, e problemas logísticos maiores para atingir comunidades remotas.

Ainda que os desafios e os custos sejam grandes, eles são menores que "os custos sociais e econômicos de confinamentos repetidos", diz Guanais. "Sob o ponto de vista estrito do custo-benefício, vale muito a pena implementar a estratégia de TTT ['test, track & trace', ou testar, localizar e rastrear] em todos os casos", afirma o diretor-adjunto, desde que haja estrutura, suprimentos e pessoal suficientes.

Guanais diz que, no caso do Brasil, além dos serviços públicos, "há também muita capacidade laboratorial no setor privado, que pode ser alavancada através de parcerias público-privadas em um esforço coordenado".

"O Brasil tem uma longa história e reconhecida experiência em vigilância epidemiológica, e é aí que os mecanismos de governança do SUS e a existência um sistema público universal fazem a diferença", afirma o diretor-adjunto da OCDE.

Para identificar os contatos, o uso de tecnologia pode facilitar, dizem as entidades, mas exigem governança e transparência para evitar invasão de privacidade ou uso indevido de dados individuais.

"A Covid-19 é a maior emergência de saúde global dos últimos cem anos. Para superá-la é preciso muitas coisas em paralelo", diz Guanais. Entre elas estão aumentar a capacidade do sistema de saúde, preparar-se para realizar testes sorológicos para imunidade, implementar fortes medidas de higiene e acompanhar a evolução das infecções para decidir sobre a necessidade de outras medidas de isolamento social.

O QUE É PRECISO PARA O SUCESSO DO PROGRAMA DE TESTES
testar pessoas que apresentem sintomas semelhantes aos da gripe localizar todos resultados positivos para garantir que estão em quarentena rastrear no mínimo 70% dos contatos de casos suspeitos e confirmados de Covid-19 colocar os contatos em autoisolamento e informá-los sobre medidas de higiene e proteção testar todos os contatos ou, no mínimo, os que desenvolverem sintomas

Fontes: ECDC e OCDE

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

EUA saúda compromisso do Brasil sobre desmatamento, mas pede 'ações imediatas'
Meio Ambiente

EUA saúda compromisso do Brasil sobre desmatamento, mas pede 'ações imediatas'

Em uma semana, mortes por Covid-19 aumentam em 8% e 6% de novos casos
Coronavirus

Em uma semana, mortes por Covid-19 aumentam em 8% e 6% de novos casos