Coronavírus

Taxa de cura da Covid volta a crescer nos hospitais do Brasil, mas ainda é baixa

Em maio, mês mais crítico, esse índice chegou a 53%, o ponto mais baixo

Teste de coronavírusTeste de coronavírus - Foto: Sajjad Hussain/AFP

Mais alta nos primeiros dias da pandemia, a taxa de sobrevivência de pacientes internados com Covid-19 voltou a crescer no Brasil. Levantamento feito pela reportagem com base em dados do Sistema de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde mostra que 60% das pessoas hospitalizadas na semana do dia 13 de junho tiveram alta. Em maio, mês mais crítico, esse índice chegou a 53%, o ponto mais baixo.

Os números se referem apenas a pacientes que ficaram internados –ou seja, os casos graves de Covid-19– e não incluem, portanto, o total de pessoas que receberam o diagnóstico de infecção pelo novo coronavírus. Foram considerados dados até o último dia 13 de junho, e os percentuais são uma média móvel dos últimos 7 dias.

A melhora no quadro, segundo especialistas consultados pela reportagem, pode decorrer da combinação de hospitais menos cheios com maior experiência dos médicos e demais profissionais de saúde, que foram aprendendo sobre a melhor forma de lidar com a doença ao longo da pandemia.

 



No fim de março, quando os casos confirmados ainda não chegavam aos milhares, ficou em quase 70% a proporção de doentes internados que conseguiam se curar. À medida que o vírus foi se espalhando e o número de pacientes cresceu, aumentou também a proporção de mortes.

A situação foi mais grave no Norte e Nordeste, com redes de saúde menos robustas que as dos estados mais ao sul.

O Amazonas, primeiro a ter o sistema de saúde em colapso, viu a taxa de mortalidade nos hospitais crescer rapidamente já no início de abril. Em meados daquele mês, imagens de corpos ao lado de pacientes começaram a circular nas redes sociais.

A ocupação de leitos de UTI, necessários para dar o devido atendimento aos casos mais graves, chegou ao limite. Ambulâncias rodavam por horas nas ruas de Manaus à espera de uma vaga para os doentes.

Durante mais de um mês, os hospitais registraram mais mortos que curados. No período mais crítico, a cada 5 pacientes internados, 3 morriam.

Para dar conta do volume de óbitos, a prefeitura da capital amazonense contratou containers frigoríficos para armazenar corpos e mandou abrir valas comuns em cemitérios.

Em 17 de abril, outros três estados tinham mais de 90% de ocupação dos leitos públicos de UTI reservados para pacientes com coronavírus: Ceará, Pará e Pernambuco, todos eles com mais mortos que curados e com a proporção de óbitos em expansão.

"O nosso sistema de saúde não suporta o que o do Sudeste suporta. São Paulo nunca chegou a esse grau [de ocupação]. A gente colapsou muito cedo. Com um volume de atendimentos tão grande, é impossível garantir qualidade de assistência padrão", diz Bruno Ishigami, infectologista do hospital Oswaldo Cruz e do hospital de campanha do Recife. "Minha impressão é que os pacientes demoravam muito nas emergências para chegar na UTI. Quando chegavam, não tinha muito mais o que se pudesse fazer", completa.

De abril a maio, a situação de caos nas redes hospitalares se repetiu em mais estados, como Maranhão, Amapá, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro. Naqueles dois meses, o número de mortos pelo coronavírus chegou a 30 mil em todo o país.

Com a ampliação emergencial de leitos e com um maior controle da epidemia em alguns estados, a situação deu sinais de melhora. Desde meados de maio, a proporção de pacientes curados vem crescendo no país, especialmente no Amazonas e no Nordeste.

Ainda assim, estados como Rio Grande do Sul e Goiás, que nesse período tiveram crescimento dos casos e de ocupação de leitos, registraram aumento da taxa de mortalidade nos hospitais.

"Se há três pacientes disputando vaga de UTI, vai o mais grave. Já se temos mais leitos disponíveis para internação cai o tempo de espera em pronto-socorro. Com enfermarias mais vazias, com certeza melhora a assistência", afirma a infectologista Gladys Prado, do hospital Sirio-Libanês, em São Paulo.

Outro ponto citado por especialistas é o aprendizado adquirido pelos profissionais de saúde ao longo da pandemia. A doença é nova, e muitas equipes foram formadas às pressas para lidar com a crescente demanda.

Em alguns casos, para atender ao grande volume de pacientes, hospitais e secretarias de Saúde precisaram recrutar profissionais recém-formados ou sem grande experiência prática em UTIs e enfermarias.

"Entrava muita gente sem experiência com paciente grave porque no contexto de pandemia era o que dava. Como temos dois, três meses, a equipe inteira já passa a entender mais o que precisa ser feito. Eu sinto que a gente melhorou muito a qualidade da assistência", diz Ishigami, do Recife.

Com o tempo também são feitas novas descobertas científicas sobre o vírus e protocolos são atualizados. Mesmo para os médicos mais experientes, os primeiros meses foram desafiadores.

"Muito se tem aprendido agora, durante a pandemia, com a prática", diz Leonardo Weissman, infectologista do hospital Emilio Ribas, em São Paulo, e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia. "É um vírus novo, que está escrevendo a história dele agora."

Veja também

Senado da Bolívia aprova lei que fixa data limite para eleições
Mundo

Senado da Bolívia aprova lei que fixa data limite para eleições

Um dia após anúncio de vacina, Rússia altera dados sobre testes em base internacional

Um dia após anúncio de vacina, Rússia altera dados sobre testes em base internacional