TCE também barra licitação de Doria para ceder presídios à iniciativa privada

O governo paulista já recorreu de ambas as decisões

Governador de São Paulo, João DoriaGovernador de São Paulo, João Doria - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Tribunal de Conta do Estado de São Paulo determinou nesta segunda-feira (14), em caráter liminar, a suspensão do edital do governo paulista para contratação de empresas para gestão compartilhada de unidades prisionais no estado. Essa decisão, a segunda desfavorável à concorrência aberta pela gestão João Doria, deve ser publicada no "Diário Oficial" do Estado nesta terça-feira (15).

Na semana passada, a juíza da 13ª vara da Fazenda Pública, Luiza Barros Rozas Verotti, determinou a suspensão do certame por considerar a contratação de empresas para participar da administração de presídios uma transferência à iniciativa privada de funções exclusivas do poder público. O governo paulista já recorreu de ambas as decisões.

Com a nova liminar do TCE, assinada pelo conselheiro Sidney Beraldo, ainda que o governo conseguisse derrubar a liminar, estaria impedido, em tese, de realizar a audiência pública prevista esta terça-feira (15), para recebimento de envelopes com as propostas das empresas interessadas.

Leia também:
Evento da PM em SP tem vaias a Doria e gritos de 'mito' a Bolsonaro
Bolsodoria foi na eleição, e campanha acabou, diz Doria


Além de suspender o andamento do processo, o TCE deu prazo de 48 horas para o governo paulista encaminhar ao órgão a íntegra do edital para análise. O documento será verificado e, depois, as representações serão julgadas em plenário.

O TCE poderá determinar eventuais correções ou alterações do edital, determinar reabertura ou até pedir o cancelamento do certame. Também pode considerar não haver problemas e autorizar a continuação sem mudanças.

A suspensão determinada pelo tribunal de contas atende a pedido de uma empresa (Soluções Serviços Terceirizados - Eireli), pelo Instituto Humanita360 Brasil e, também, pelos advogados Dayane de Oliveira Ferreira, Felipe Estevam Ferreira e José Jodacir de Souza Júnior.

As representações feitas por esse grupo reclamam de restrição de competitividade e falta de audiências públicas. "O edital apresentava problemas graves, como falta de transparência, restrição à livre concorrência e monopólio à exploração de mão de obra carcerária", diz nota do Instituto Humanita360.

A licitação aberta pelo governo paulista prevê o repasse de parte dos serviços de quatro unidades nas cidades de Gália (duas unidades), Aguaí e Registro. A abertura de envelopes com propostas ocorreria na terça (15). As unidades estão em construção e têm previsão de entrega para o final de 2019, com um total de 3.292 vagas.

Procurada pela reportagem, a Secretaria da Administração Penitenciária informou que já recorreu das decisões e aguarda o resultado de seus recursos para poder manter a audiência desta terça.

Segundo a pasta, a elaboração do edital foi precedida de estudos técnicos, apresentados em audiência pública em maio deste ano, quando houve ampla participação dos interessados e foram recebidas contribuições ao termo de referência do edital.

A pasta diz, ainda, que não está transferindo funções do Estado à iniciativa privada. "O Poder de Polícia continuará a cargo do Estado, que continuará responsável pela segurança interna e externa dos presídios, assim como pelas diretorias geral e de segurança e disciplina, integrantes do Grupo de Intervenção Rápida, cadastro e classificação de presos, entre outras funções."

Veja também

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia
rio de janeiro

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio
agressão

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio