Tecnologia combate assédio em aplicativo de transporte

Aplicativo 99 lança ferramenta que rastreia comentários inapropriados e encaminha relatos de assédio para equipe de segurança

Inteligência artificial identificará padrões automaticamenteInteligência artificial identificará padrões automaticamente - Foto: Gustavo Glória / arquivo Folha

Uma ferramenta que promete agilizar o reconhecimento de casos de assédio e dar suporte a vítimas desse tipo de violência. A novidade foi anunciada ontem pelo aplicativo de transporte 99. Desenvolvido em parceria com organização Think Eva, a tecnologia funciona como um rastreador de comentários e identifica de forma automática denúncias de assédio.

Esses comentários são encaminhados para uma equipe formada por especialistas em segurança, que avaliará cada caso e tomará as providências necessárias. “E a partir do momento que é identificado o nível, o tipo do incidente, o motorista pode ser punido desde com uma chamada de atenção até o bloqueio definitivo na plataforma, caso comprovado que de fato foi um tipo de incidente maior”, explica Stella Brant, Diretora de Marketing da 99. “E aí também trabalhamos para dar suporte à vítima e colaborar junto com autoridades, caso o passageiro tenha envolvido autoridades policiais”, continua.

Leia também:
Mais da metade das jovens brasileiras têm medo de assédio
Robô-táxi e integração de apps serão tendência nos transportes em 2019


A tecnologia consegue ler os comentários deixados no app após o término das corridas e identificar uma série de palavras e contextos que podem estar relacionados a assédio. Para isso, foi feito um mapeamento de expressões. “A gente treinou essa inteligência artificial. Todo o trabalho para que essa ferramenta funcionasse foi realizado com mais de 100 pessoas, especialistas em segurança, psicólogos, programadores, cientistas e pessoas que lidam com o comportamento humano”, ressalta Stella.

O sistema vai sendo melhorado automaticamente por meio da inteligência artificial, que aprende novos contextos com o passar do tempo. Ao longo de mais de seis meses, a Think Eva desenvolveu um protocolo de atendimento humanizado (que inclui suporte, resolução e acompanhamento) a eventuais vítimas de assédio, preconceito e qualquer forma de discriminação. A equipe de segurança da 99 foi capacitada dentro de preceitos de feminismo para ser capaz de cuidar dos casos com responsabilidade e conhecimento de causa.

“As vítimas mulheres serão atendidas por mulheres. Parece um detalhe, mas é algo que pode fazer total diferença para que uma mulher que esteja passando por esse processo tão delicado”, acrescenta a diretora. Além do próprio app, as denúncias também podem ser feitas pelo canal exclusivo para incidentes de segurança no telefone 0800-888-8999, que pode indicar centros de acolhimento em diversas cidades, que provêm assistência jurídica e psicológica. A ferramenta está disponível em todo o Brasil. A socióloga Ana Paula Portella afirma que toda iniciativa por parte de empresas no sentido de identificar e coibir situações de abuso e assédio são bem-vindas.

“A gente já passou do tempo de empresários e dirigentes do estado se preocuparem com essa questão. Já têm estudos, pesquisas, relatos que indicam a extensão e o alcance de assédio, que é muito comum no ambiente de deslocamento e mobilidade”, afirma. A enfermeira Emylia Rodrigues, 23 anos, já passou por situações constrangedoras. “Fui xingada por um motorista e tive que interromper a corrida. Não deixa de ser uma forma de coibir situações como essa, até como forma de exemplo para outros motoristas”, avaliou.  

Veja também

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia
Coronavírus

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio
Coronavírus

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio