Tem viagem marcada para o Nordeste? Veja orientações do Procon

Segundo o órgão, as empresas devem atenuar o prejuízo dos consumidores, considerando sua vulnerabilidade

Praia de CarneirosPraia de Carneiros - Foto: Fabiano Antunes (Rota 1976)

Com a crise do vazamento de óleo em mais de 70 municípios do Nordeste, as viagens marcadas para as praias da região ficam prejudicadas. Para quem quiser cancelar ou remarcar o passeio, o Procon de São Paulo recomenda a negociação com os fornecedores.

Segundo o órgão, as empresas devem atenuar o prejuízo dos consumidores, considerando sua vulnerabilidade, seja remarcando novas datas dentro de sua disponibilidade seja restituindo os valores a quem não desejar mais o serviço.

O Procon afirma ainda que auxiliará consumidores na conciliação com as empresas e que considera inadequada a postura dos fornecedores de ignorarem os prejuízos gerados aos consumidores.

Leia também:
Manchas de óleo em praias não garantem remarcação ou cancelamento de viagens, diz Procon-PE
Ibama e Marinha dizem que ineditismo afeta contenção de óleo em praias
Praia de Carneiros: como ir e o que fazer neste paraíso pernambucano 

De acordo com Fernando Capez, diretor-executivo do órgão, as empresas são obrigadas a negociarem uma solução com os clientes. "O Procon não aceitará o fornecedor que, por não ter obrigação de indenizar, se recuse a atender o consumidor e a buscar uma solução. Há uma diferença entre direito e abuso do direito. Neste caso, embora não haja o dever de indenizar, o fornecedor não pode abusar desse direito para prejudicar o cliente, porque segundo o Código de Defesa do Consumidor ele é a parte vulnerável", diz.

Capez explica ainda que, caso o cliente não queira mais viajar mas já tenha dado uma entrada ou pago o passeio, deve procurar o Procon para tentar resgatar o dinheiro. "Existe uma obrigação em decorrência dos princípios gerais que regem a defesa do consumidor, e que valem como lei, que levam à conclusão de que pelo menos uma parte do dinheiro deve ser devolvida."

Quando questionado sobre turistas que foram pegos de surpresa durante uma viagem, o diretor-executivo afirma que não é possível obrigar um prestador de serviço a indenizar os turistas em decorrência do surgimento do óleo nas praias do Nordeste, mas que a empresa deve atender o cliente que desejar rever os valores do serviço prestado.

"Caso a pessoa seja surpreendida em viagem, ela deve procurar o Procon porque há uma diminuição do valor do produto que ela consumiu. Não é justo que somente o consumidor arque com isso. Deve haver uma redução proporcional do valor. Agora, se o cliente já pagou tudo, precisará entrar na Justiça."

Os princípios evocados por Capez estão dispostos nos artigos 4º e 6º do Código de Defesa do Consumidor que estabelecem que, apesar de a situação não ser de responsabilidade dos clientes ou das empresas, os turistas não podem ser prejudicados. "Mesmo que a empresa também não tenha culpa, trata-se de um risco do negócio."

Até o momento, 178 locais em 72 municípios de todos os estados do Nordeste foram afetados pelo óleo. Em pelo menos oito estados já foram encontrados 17 animais mortos (duas aves e 15 tartarugas), segundo o Ibama, mas o número pode ser maior.

Veja também

Confira a previsão do tempo para esta quarta (21) em Pernambuco
TEMPO

Confira a previsão do tempo para esta quarta (21) em Pernambuco

Ministério da Saúde fecha acordo com governo de SP para compra de 46 milhões de doses da Coronavac
Coronavírus

Ministério fecha acordo para 46 mi de doses da Coronovac e diz que vacina entra no calendário nacional