Temer, agora, terá que mostrar serviço

Michel Temer, a partir de hoje, tem base parlamentar suficiente para recolocar o Brasil nos trilhos

Filme "Personal Shopper "Filme "Personal Shopper " - Foto: Divulgação

O simples afastamento de Dilma Rousseff da Presidência da República não vai melhorar de imediato a situação do país. Pode até piorar se Michel Temer não der respostas rápidas aos seus principais problemas - a recessão e o desemprego. Itamar Franco, quando sucedeu Collor em 1992, teve a sabedoria política de convidar FHC para a pasta da Fazenda, ele recrutou os economistas que conceberam o Plano Real e os graves problemas da época foram superados: a inflação galopante e instabilidade monetária. Michel Temer, ainda como presidente interino, teve a clarividência de pôr Henrique Meirelles à frente dessa pasta, cujo ocupante só tem uma desvantagem em relação a FHC: não é político e nunca foi congressista. A partir de hoje, no entanto, como sucessor constitucional de Dilma, o ex-vice tem base política de sobra para recolocar o Brasil nos trilhos. Só não pode é demorar muito para não deixar o “Fora, Temer” prosperar.

Negociação sem cargos

Quando de sua última passagem pelo Recife, o ex-senador Pedro Simon fez questão de lembrar que Itamar Franco, quando assumiu o governo em 1992 em decorrência da queda de Collor, obteve apoio no Congresso para aprovar o Plano Real sem oferecer um único cargo em troca. Já Temer não pode dizer a mesma coisa, haja vista o assédio que sofreu de senadores nos últimos 15 dias por cargos no governo.

O troco > Políticos pernambucanos que conhecem razoavelmente bem a “alma” de Dilma não têm dúvida de que ela caiu porque nunca deu bolas para o Congresso e sempre tratou com grosseria os seus aliados. Se tivesse sido carinhosa com os congressistas como Lula sempre foi, provavelmente teria escapado.

História > Agosto já estava na história do Brasil por ter sido o mês do suicídio de Getúlio, a renúncia de Jânio e a morte de JK, Arraes e Eduardo Campos. Agora é também o mês da queda de Dilma.

Grandeza > O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) não comemorou com palmas, como fez Ronaldo Caiado (DEM-GO), o impeachment de Dilma. Votou a favor, mas a queda dela não o deixou feliz.

2º turno > Por conhecer Olinda como a palma da mão, Izabel Urquiza (PSDB) está convencida de que só 4 candidatos podem chegar ao 2º turno: ela, Luciana Santos, Professor Lupércio e Antonio Campos.

Queixas > O prefeito de Paudalho e candidato à reeleição, José Pereira (PSB), queixa-se muito da “desarrumação política” do governo Paulo Câmara no trato das questões do interior. A queixa é extensiva ao presidente do PSB, Sileno Guedes, “que nunca fez uma reunião com os candidatos a prefeito do partido”.

Espaço > Sempre que o governo Paulo Câmara privilegiar um candidato a prefeito, no interior, em detrimento de outro que também pertença à Frente Popular, o deputado Álvaro Porto (PSD) porá a boca no trombone. Já fez isto em relação a Brejão e a Lajedo, onde cobra neutralidade do governador e dos seus secretários.

Oposição > Dos líderes políticos de Pernambuco, o único que fará oposição ao governo Temer é Humberto Costa (PT). Nem mesmo o senador Armando Monteiro (PTB) ficará contra porque o deputado e seu liderado político, Zeca Cavalcanti (PTB), indicou recentemente o novo ocupante da superintendência regional do Ministério do Trabalho: Geovane Freitas. A pasta é ocupada pelo petebista Ronaldo Nogueira, indicado pela bancada federal.

Veja também

Pesquisa detecta coronavírus no esgoto de Florianópolis em amostras de novembro de 2019
Coronavírus

Pesquisa detecta coronavírus no esgoto de Florianópolis em amostras de novembro de 2019

Entregadores de apps programam nova paralisação para 12 de julho
Paralisação

Entregadores de apps programam nova paralisação para 12 de julho