CONFLITO

Tensão aumenta em Israel e nos Territórios Palestinos após ataque em Tel Aviv

Dois jovens palestinos morreram nesta quinta-feira (31)

Palestinos participam do funeral de Yazid al-Saadi na cidade de Jenin em 31 de março de 2022, depois que ele foi morto durante um ataque israelense na Cisjordânia ocupadaPalestinos participam do funeral de Yazid al-Saadi na cidade de Jenin em 31 de março de 2022, depois que ele foi morto durante um ataque israelense na Cisjordânia ocupada - Foto: JAAFAR ASHTIYEH / AFP

A situação em Israel e nos Territórios Palestinos ficou ainda mais tensa nesta quinta-feira (31), com as mortes de dois palestinos em uma operação do exército do Estado hebreu na Cisjordânia e um ataque com faca em um ônibus, uma escalada da violência após o atentado de terça-feira em Tel Aviv.

Nas primeiras horas de quinta-feira, as forças israelenses efetuaram uma operação no campo palestino de Jenin, ao norte da Cisjordânia ocupada.

A operação foi consequência do atentado de terça-feira no subúrbio da cidade israelense de Tel Aviv, que deixou cinco mortos, incluindo trabalhadores ucranianos e um policial árabe israelense.

Nesta quinta-feira, dois jovens palestinos, de 17 e 23 anos, morreram "em ações das forças de ocupação israelenses que cumpriam uma operação na área de Jenin", informou o ministério da Saúde palestino.

Após o atentado de Tel Aviv, o exército israelense mobilizou reforços na Cisjordânia ocupada e aumentou o número de detenções, incluindo as de parentes do ator do ataque, Dia Hamarshah, um palestino de Yaabad, localidade próxima de Jenin, que havia passado quatro anos em prisões israelenses. 

As Forças Armadas de Israel confirmaram que soldados e agentes da polícia de fronteira, uma unidade paramilitar, "efetuaram uma operação em Jenin" para deter "suspeitos".

"Durante a operação, homens armados palestinos abriram fogo contra as tropas, que responderam os tiros", afirma um comunicado. Um soldado ficou levemente ferido e foi levado para o hospital. 

A Jihad Islâmica, o segundo maior movimento islamita palestino armado, depois do Hamas, muito presente na área de Jenin, pediu a seus integrantes que permaneçam em alerta. 

"Após os acontecimentos no campo... o secretário-geral da Jihad Islâmica anuncia uma mobilização geral das Brigadas Al Quds (o braço armado) em suas localidades", anunciou o movimento islamita liderado por Ziad Najaleh.

Pouco depois da operação do exército, um palestino esfaqueou um passageiro - que ficou gravemente ferido - em um ônibus no sul da Cisjordânia ocupada, antes de ser morto por um civil armado.

Visita polêmica 
Em Jerusalém, o deputado de extrema-direita Itamar Ben Gvir, conhecido por suas declarações incendiárias sobre os palestinos, visitou nesta quinta-feira a Esplanada das Mesquitas, chamada de Monte do Templo pelos judeus, dias antes do começo das celebrações do Ramadã. 

"Durante toda a noite, o Hamas me ameaçou, dizendo que eu estava na linha de fogo. Afirmaram que não viesse aqui. Eu digo ao porta-voz do Hamas: 'cale-se'", afirmou na Esplanada.

No ano 2000, a polêmica visita do líder da direita israelense Ariel Sharon à esplanada foi o gatilho para a revolta palestina conhecida como Segunda Intifada.

A Esplanada das Mesquitas, sob autoridade da Jordânia, mas com os acessos controlados por Israel desde a ocupação de Jerusalém Oriental em 1967, foi cenário no ano passado, durante o Ramadã, mês de jejum muçulmano, de confrontos entre o exército israelense e os palestinos. 

Os confrontos, que deixaram centenas de feridos, provocaram uma guerra de 11 dias entre os islamitas do Hamas, que governam Gaza, e o exército israelense. 

Veja também

Dia Nacional do Diabetes: pacientes buscam qualidade de vida
saúde

Dia Nacional do Diabetes: pacientes buscam qualidade de vida

Ministro da Justiça diz que não conversou com Bolsonaro sobre investigação da PF em viagem aos EUA
Política

Ministro da Justiça diz que não conversou com Bolsonaro sobre investigação da PF em viagem aos EUA