"Tive uma vida dupla e namorei sim”, confessa Fábio de Melo

No “Encontro”, padre desabafou desconforto com a mídia

Debate com candidatos ao Governo do Estado em emissora de rádio localDebate com candidatos ao Governo do Estado em emissora de rádio local - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Em participação no programa global "Encontro", desta quarta (23), o padre Fábio de Melo falou que se sente desconfortável com o destaque que a mídia dá para o seu romance do passado."Tenho consciência que desperto muita simpatia, mas tem uma classe que me olha de maneira muito preconceituosa. Em uma biografia imensa sobre a minha vida, os principais noticiários colocam que eu pulava o muro para namorar. Tantas coisas interessantes da minha vida", desabafou. "Tive uma vida dupla e namorei seis meses. Ela morava sozinha e a gente tinha muita intimidade. Eu estava realmente apaixonado. Ao mesmo tempo, já nasci querendo ser padre.", confessou o padre.

Fábio de Melo também diz ser vítima de preconceito por ser cantor. “Muitas vezes, a mídia me enclausurava como padre cantor, padre pop, e ofuscava o teólogo que sou e o pensador que quis ser. Estudei 16 anos para ser padre. Fui em alguns programas de TV em que eu não tinha oportunidade de dizer uma frase completa, a conversa girava em torno de banalidades como se eu fazia academia e o que eu comia.", reclamou.

"Humano Demais", escrito pelo jornalista Rodrigo Alvarez, narra a trajetória de vida do padre, desde a infância até os tempos de faculdade, quando ele se apaixonou por uma mulher mais velha. Após um período de afastamento, ela o deixou para trabalhar em outra cidade. "Muito serenamente, me disse que estava indo embora. Com os olhos cheios de lágrimas, me disse para eu ir ser padre. Nunca mais a vi. Foi muito doído, pois eu a amava."

Veja também

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas
Alerta

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas

Ministério Público da Bolívia pede prisão de Evo por terrorismo

Ministério Público da Bolívia pede prisão de Evo por terrorismo