DECISÃO

Toffoli, do STF, derruba lei que permitia prazo indeterminado para patentes na área da saúde

O ministro do STF disse que a decisão é necessária para o combate à pandemia da Covid-19

Dias ToffoliDias Toffoli - Foto: Carolina Antunes/PR

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), derrubou um trecho da Lei de Propriedade Industrial que, segundo ele, dava margem para que a vigência de patentes tivesse prazo indeterminado.

Toffoli disse que a decisão é necessária para o combate à pandemia da Covid-19 e restringiu seus efeitos a produtos e processos farmacêuticos e a equipamentos e materiais direcionados à área da saúde.

A PGR (Procuradoria-Geral da República) afirma que a medida facilitará o desenvolvimento de remédios contra o coronavírus.



O trecho da legislação revogado pelo ministro afirmava que os pedidos de prorrogação de patentes que o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) não conseguisse analisar "por pendência judicial ou por motivo de força maior" deveriam ser renovados automaticamente.

O prazo de patentes de 20 anos foi mantido.

O julgamento do tema estava marcado para esta quarta-feira (7). As decisões conflitantes tomadas pelo tribunal em relação à liberação de celebrações religiosas em meio à pandemia do coronavírus, porém, forçaram o tribunal a dar prioridade a esse tema.

O presidente da corte, Luiz Fux, remarcou a análise do caso para a próxima semana, como segundo item da pauta, depois da análise da decisão do ministro Edson Fachin de anular as condenações do ex-presidente Lula.

Como o julgamento sobre o petista pode ser demorado e o caso das patentes custar para ser analisado pelo plenário, Toffoli resolveu dar uma decisão individual sobre o tema.

A ação foi apresentada pela PGR em 2016. Neste ano, porém, o atual procurador-geral, Augusto Aras, pediu que o caso fosse analisado com urgência porque a lei limitava o combate à pandemia.

Para a PGR, ao deixar indeterminado o prazo da patente a legislação gera "forte lesão a direitos sociais e à ordem econômica" e torna o consumidor "refém de preços e produtos definidos pelo detentor do monopólio, sem perspectiva de quando terá acesso a novas possibilidades".

Aras afirmou que a lei "impacta diretamente no direito fundamental à saúde, haja vista que, enquanto não expirada a vigência de patentes de grandes laboratórios, a indústria farmacêutica ficará impedida de produzir medicamentos genéricos contra o novo coronavírus e suas atuais e futuras variantes".

A decisão de Toffoli não tem efeito retroativo, o que significa que não vale para patentes em vigência devido ao trecho da lei que foi invalidado.

Em informações prestadas ao Supremo nos autos do processo, o INPI afirmou que editou uma portaria em abril do ano passado que deu prioridade à análise de pedidos de patentes com potencial uso para prevenção, tratamento e diagnóstico do coronavírus.

"O INPI também informou que existem nove patentes atualmente em vigor há mais de 20 anos contendo indicação de possível uso no enfrentamento à Covid-19", disse Toffoli.

O instituto afirmou ao Supremo que "todas as patentes atualmente em vigor há mais de 20 anos que contêm indicação de possível uso no enfrentamento à Covid-19" correspondem a pedidos de priorização feitos pelo Ministério da Saúde.
"Foi solicitada a priorização para quatro medicamentos apontados como potenciais candidatos ao tratamento da Covid (Favipiravir, Remdesivir, Sarilumabe e Tocilizumabe)", afirmou.

Para Toffoli, a medida é, sim, necessária para enfrentar o coronavírus.

"Embora muito se indague, nesses autos, acerca da importância da liberação das patentes de fármacos para o combate à pandemia da Covid-19, fato é que o enfrentamento de uma crise de tamanha magnitude - que não é somente uma crise sanitária, mas econômica e social- envolve a gestão de recursos escassos de diversas categorias , não somente de medicamentos com possível indicação para o tratamento da doença".

Veja também

Olimpíada de Língua Portuguesa recebe inscrições de estudantes da rede pública de ensino
Educa Mais

Olimpíada de Língua Portuguesa recebe inscrições de estudantes da rede pública de ensino

Procon interdita bar e loja de conveniência abertos após horário permitido no Recife
Desrespeito ao protocolo

Procon interdita bar e loja de conveniência abertos após horário permitido no Recife