Notícias

Tragédia da Tamarineira: justiça nega pedido da defesa motorista continuará no Cotel

O advogado de João Victor havia pedido à Justiça que a prisão fosse revertida de "preventiva" para "domiciliar", alegando necessidades médicas

João Victor foi encaminhado ao presídioJoão Victor foi encaminhado ao presídio - Foto: Divulgação

O réu João Victor Ribeiro de Oliveira Cabral, motorista que causou a morte de três pessoas em colisão no bairro da Tamarineira, na Zona Norte do Recife, em novembro passado, continuará preso no Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) negou, nesta sexta-feira (15), pedido do advogado do motorista para que a prisão fosse revertida de "preventiva" para "domiciliar", alegando que João Victor precisaria de assistência médica.

O pedido foi negado pelo MPPE após o parecer do promotor André Rabelo. De acordo com Rabelo, "não há amparo legal para aceitar o pedido". "A defesa não apresentou nenhuma justificativa que comprovasse a incapacidade do réu. Minha avaliação foi baseada no histórico dele que desde 2014 possui várias multas no Detran por excesso de velocidade e imprudência no trânsito e a família nunca tomou providência", esclareceu o promotor.

Leia também:
Tragédia da Tamarineira: MPPE denuncia motorista por triplo homicídio e duas tentativas
"Mesmo embriagado, João Victor estava no nível máximo de consciência", disse médico
Advogado vítima de colisão na Tamarineira recebe alta

O juiz Ernesto Bezerra Cavalcanti, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, acompanhou o parecer da promotoria e negou a transferência de João Victor do Cotel para sua residência. "Mesmo que houvesse a comprovação de sua incapacidade mental ou de qualquer outra natureza, isso não isenta ninguém de arcar com a responsabilidade do que ocorreu. Ele possui senha bancária, fazia curso superior, dirigia o carro da família, ou seja, era totalmente capaz de suas funções", completou André Rabelo.

Entenda o caso

João Victor Ribeiro, 25 anos, conduzia um Ford Fusion em alta velocidade e acabou avançando um sinal vermelho no cruzamento da Rua Cônego Barata com o início da Estrada do Arraial, atingindo uma Toyota RAV4, onde estavam o advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho, de 46, e Maria Emília Guimarães, 39, com os dois filhos e a babá Roseane Maria de Brito Souza, de 23, no último dia 26 de novembro. Morreram na hora Maria Emília e a babá Roseane, que estava grávida de três meses. O filho mais novo do casal, Miguel, de 3 anos e 11 meses não resistiu aos ferimentos e faleceu no dia seguinte ao acidente.

Quase duas semanas depois da colisão, o advogado Miguel Filho, de 46 anos, recebeu alta no último domingo (10), do Hospital Santa Joana, no Recife. A filha, Marcela Guimarães da Motta Silveira, 5, segue internada na UTI pediátrica do mesmo hospital. A paciente se encontra em estado grave, mas já respira de forma espontânea.

Veja também

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle
Família real

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid
Negacionismo

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid