Trans é morta a pauladas em área nobre de São Paulo

A jovem foi agredida após negar fazer programa com um homem

Larissa Rodrigues era natural do Ceará e morava há cerca de quatro anos na capital paulistaLarissa Rodrigues era natural do Ceará e morava há cerca de quatro anos na capital paulista - Foto: Reprodução / Facebook

Uma garota de programa de 21 anos morreu após ser agredida a pauladas na noite desse sábado (4), no Planalto Paulista (zona sul da capital), área nobre da capital paulista. A vítima, Larissa Rodrigues, era transexual. O crime aconteceu por volta das 22h, na esquina da alameda dos Tacaúnas com a avenida Indianópolis.

Uma amiga da jovem contou ao Agora, que pertence ao Grupo Folha, em sigilo, que ambas faziam programa, quando a vítima foi atingida pelo suspeito, que acertou a cabeça de Larissa com um pedaço de madeira. "O homem ficou bravo, pois minha amiga havia negado fazer programa com ele", afirma.

Leia também:
Assassinatos de travestis e transexuais é o maior em dez anos no Brasil
Ato presta apoio a mulher trans vítima de agressões em festa na UFPE


O motivo para a negativa da vítima, ainda segundo a amiga, seria o fato de o suspeito ter sido violento quando a abordou, instantes antes de a agredir. O homem não havia sido identificada até a conclusão desta edição.

A testemunha acrescentou que, após Larissa cair no chão, o criminoso bateu com a madeira na cabeça da vítima "várias vezes". "Depois, ele andou até o carro [um Voyage prata] e fugiu". No boletim de ocorrência consta que o suspeito, antes de agredir a vítima, gritou que havia sido roubado.

A jovem foi encaminhada a hospital no Jabaquara, mas não resistiu. Larissa, era natural do Ceará e morava há cerca de quatro anos na capital paulista. "Ela era uma pessoa do bem. Veio para São Paulo melhorar de vida e a ajudar a família. Ela queria voltar ao Ceará e abrir um comércio de cosméticos", disse um cabeleireiro de 28 anos, amigo da vítima.

Veja também

Ômicron: alto número de mutações pode fazer variante ter vantagem sobre as vacinas, diz OMS
VARIANTE

Ômicron: alto número de mutações pode fazer variante ter vantagem sobre as vacinas, diz OMS

Covid-19:Prefeitura de Salvador cancela Réveillon; Carnaval está sob ameaça
pandemia

Prefeitura de Salvador cancela festa de Réveillon; Carnaval está sob ameaça