Acordo

Tratado para a proibição de armas nucleares entrará em vigor em janeiro

Representantes da ONU comemoram o resultado de um movimento para chamar a atenção sobreo assunto

Reator nuclear da cidade de ArakReator nuclear da cidade de Arak - Foto: HO / ATOMIC ENERGY ORGANIZATION OF IRAN / AFP

Um tratado internacional que proíbe as armas nucleares foi aprovado pelo país número 50 - Honduras -, disse a ONU no sábado, o que permitirá a entrada em vigor em 90 dias desse texto que seus promotores descrevem como "histórico".

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, celebrou "o resultado de um movimento mundial para chamar a atenção sobre as catastróficas consequências humanitárias de qualquer uso de armas nucleares". "Representa um compromisso significativo para a eliminação total das armas nucleares, que se mantém como a maior prioridade das Nações Unidas sobre o desarmamento", acrescentou.

 

Embora as grandes potências nucleares não tenham assinado o tratado, os ativistas que impulsionaram sua entrada em vigor esperam que seja mais que simbólica e que, a longo prazo, tenha um efeito dissuasivo. "Hoje é um dia de vitória para a humanidade e uma promessa para salvar o futuro", disse Peter Maurer, presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR), em comunicado. 

A Campanha Internacional pela Abolição de Armas Nucleares (ICAN), a ONG que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2017 por seu papel no desenvolvimento desse tratado, elogiou um anúncio "histórico". Vários países ratificaram recentemente o tratado, entre eles Nigéria, Malásia, Irlanda, Malta e Tuvalu. 

México, Venezuela, Uruguai, África do Sul e Vietnã estão entre os países que já aprovaram. O tratado deve entrar em vigor em 22 de janeiro de 2021, disse a ONU. O Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, que proíbe o uso, desenvolvimento, produção, testes, estacionamento, armazenamento e ameaça do uso desse tipo de arsenal, foi aprovado pela Assembleia Geral da ONU em julho de 2017, com o voto de 122 países.

O texto foi assinado por 84 países, embora nem todos tenham ratificado. Os principais países com armas nucleares, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia, não assinaram o documento. Na América Latina, ainda não foi ratificado pelo Brasil, Peru, Chile, Colômbia, entre outros países assinantes, segundo o site da ONU. A Argentina não assinou.

Os estados que possuem armas nucleares alegam que seus arsenais servem como um impedimento e que estão comprometidos com o Tratado de Não Proliferação de armas nucleares. No entanto, os ativistas a favor da abolição esperam que a ratificação deste tratado tenha o mesmo impacto que os acordos internacionais anteriores que proíbem as minas terrestres e as bombas de fragmentação, estigmatizando a posse e o uso de armas nucleares, o que poderia levar a uma mudança de comportamento até mesmo dos países não-assinantes

Veja também

Governo lança nova cartilha de informações financeiras para refugiados
Economia

Governo lança nova cartilha de informações financeiras para refugiados

Pernambuco mantém menor índice de mortalidade infantil do Nordeste
População

Pernambuco mantém menor índice de mortalidade infantil do Nordeste