GUERRA NA UCRÂNIA

Três milhões de pessoas já fugiram da guerra na Ucrânia, incluindo 100 mil nas últimas 24h

Metade dos refugiados são crianças

Pessoas cruzam a fronteira com a Polônia após fugirem da UcrâniaPessoas cruzam a fronteira com a Polônia após fugirem da Ucrânia - Foto: Louisa Gouliamaki/AFP

Mais de 100.000 refugiados se somaram nas últimas 24 horas às três milhões de pessoas que já fugiram da Ucrânia e dos combates desencadeados pela invasão do Exército russo em 24 de fevereiro, segundo o balanço da ONU publicado nesta quinta-feira (17). A ONU também identificou cerca de dois milhões de pessoas deslocadas internamente. Metade dos refugiados são crianças.

3.169.897 refugiados 
Por volta das 8h00, o Alto Comissariado para os Refugiados (ACNUR) contabilizava 3.169.897 refugiados. São 106.802 a mais do que durante a marcação anterior na quarta-feira.

Cerca de 162.000 cidadãos de países terceiros fugiram da Ucrânia, informou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na quarta-feira.

A Europa não via um fluxo tão rápido de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial. 

Quatro milhões de pessoas podem querer deixar o país para escapar da guerra, de acordo com as primeiras previsões da ONU.

Antes do conflito, a Ucrânia tinha mais de 37 milhões de pessoas nos territórios controlados por Kiev – sem, portanto, contar a Crimeia (sul) anexada pela Rússia, nem as áreas do leste sob o controle de separatistas pró-russos.

Polônia 
A Polônia sozinha acolhe mais da metade de todos os refugiados que fugiram desde o início da invasão russa - cerca de seis em cada 10 refugiados. 

Desde 24 de fevereiro, 1.916.445 pessoas fugindo do conflito na Ucrânia entraram na Polônia, segundo o ACNUR. 

A Guarda de Fronteira polonesa registrou uma queda de 11% nas chegadas na quarta-feira em comparação com o dia anterior. 

Antes desta crise, a Polônia já era lar de cerca de 1,5 milhão de ucranianos que vinham, na sua maioria, trabalhar neste país membro da União Europeia.

Romênia 
De acordo com a agência de refugiados da ONU, 491.409 pessoas estão na Romênia, segundo contagem de 16 de março. Tal como acontece com a Moldávia, muitos refugiados decidem seguir viagem uma vez em segurança.

Moldávia 
Após a chegada à Moldávia, um pequeno país de 2,6 milhões de habitantes e um dos mais pobres da Europa, alguns dos refugiados continuam sua jornada para a Romênia ou Hungria, muitas vezes para encontrar familiares.

De acordo com o ACNUR, 350.886 pessoas entraram na Moldávia. 

Hungria 
A Hungria recebeu 282.611 pessoas até agora, segundo dados do ACNUR em 16 de março. 

O país tem cinco postos fronteiriços com a Ucrânia. Várias cidades fronteiriças, como Zahony, converteram prédios públicos em centros de assistência, onde civis húngaros vêm oferecer comida ou assistência.

Eslováquia 
De acordo com o ACNUR atualizado em 16 de março, 228.844 pessoas que fugiram da Ucrânia foram para a Eslováquia.

Rússia 
O número de pessoas que encontraram refúgio na Rússia era de quase 168.858 em 16 de março.

O ACNUR também observa que entre 21 e 23 de fevereiro, 50.000 pessoas cruzaram os territórios separatistas pró-russos de Donetsk e Lugansk para a Rússia.

Belarus 
Em 16 de março, Belarus havia recebido 2.127 pessoas.

Método 
O ACNUR suprimiu a seção relativa aos outros países europeus e especifica que para os países que fazem fronteira com a Ucrânia e que fazem parte do espaço Schengen (Hungria, Polônia, Eslováquia), os números apresentados pelo Alto Comissário são os de pessoas que atravessaram a fronteira e entraram no país.

O ACNUR estima "que um grande número de pessoas continuou seu trajeto para outros países". 

Além disso, a organização indica que não conta pessoas de países vizinhos e que saíram da Ucrânia para voltar para casa.

Veja também

Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta novo estudo
Coronavírus

Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta novo estudo

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial de infraestruturas, diz Biden
Cúpula dos países ricos

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa de infraestruturas