Trilha às cegas movimenta o Jardim Botânico do Recife

Com os olhos vendados, grupo de 40 pessoas percorreu a mata do Jardim Botânico do Recife para uma experiência sensorial

Crianças também participaram da trlhaCrianças também participaram da trlha - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O Jardim Botânico do Recife, no bairro do Curado, promoveu na manhã de domingo, uma experiência diferente ao público que costuma visitar o local. A trilha, que muitos costumam percorrer olhando a vegetação de perto, foi feita às cegas. Pelo menos 40 pessoas tiveram os olhos vendados antes de entrarem na mata para sentir a natureza de maneira diferente.

Eles começaram pelo jardim fitoterápico, onde puderam tocar e sentir o cheiro das folhas, e seguiram a trilha propriamente dita, em um percurso de quase uma hora. Com uma das mãos apoiadas no ombro da pessoa que estava na frente, eles formaram uma grande fileira guiada pela psicóloga Silvana Coutinho. Segundo ela, uma oportunidade para as pessoas trabalharem os sentidos e a forma como lidam com o outro. “Todos ficam muito próximos durante o trajeto, então eles lidam, rapidamente, com essa relação de dependência e confiança. Daqui, cada um vai tirar sua própria lição”, comenta.

Essa não foi a primeira vez que o equipamento ligado à Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (SDSMA) organizou a atividade. Esporadicamente, através do seu calendário de ações, o Jardim Botânico oferece a chance de as pessoas participarem de encontros assim. No projeto de hoje, não faltaram crianças, idosos e jovens curiosos com a mata. A mãe da pequena Mariana, de seis anos, acompanhou cada passo da filha em meio ao verde. “Achei a ideia muito enriquecedora. Tenho certeza que ela está adorando cada minuto”, disse Karina Mattar, que mora em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.

Leia também:
Jardim Botânico do Recife expõe flora da Caatinga; veja fotos
Contato com a natureza – a cura na Chapada Diamantina
Papa pede preservação da natureza e da cultura indígena na Amazônia


Sem enxergar em momento algum, eles escutavam apenas a voz da instrutora coordenando cada passo da caminhada. A deficiente visual, Maria da Conceição, de 64 anos, participava atenta. “É curioso perceber a insegurança das pessoas num breve momento em que elas não conseguem ver. Passo por situações como essa no meu dia a dia e é um desafio constante. Tenho certeza que a lição disso tudo é a busca pela harmonia”, destaca. Em tempo, o domingo no Jardim Botânico seguiu com jogos teatrais, vivências ambientais, entre outras atividades.

Veja também

Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE
Internacional

Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE

Recife fará busca por quem ainda não tomou segunda dose de vacina contra a Covid-19
Imunização

Recife fará busca por quem ainda não tomou segunda dose de vacina contra a Covid-19