Guerra na Ucrânia

Tropas ucranianas sofrem baixas quase "catastróficas", diz Putin

O presidente russo citou dois setores do sul da Ucrânia e um do leste, sem mencionar Bakhmut

Guerra na UcrâniaGuerra na Ucrânia - Foto: Anatolii Stepanov / AFP

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou nesta terça-feira (13) que o Exército ucraniano está sofrendo baixas em massa no âmbito de sua contraofensiva, lançada, segundo ele, em vários setores do "front".

"Suas baixas se aproximam de um nível que poderíamos classificar de catastrófico", declarou Putin, durante um encontro com jornalistas que cobrem o conflito, afirmando que as baixas russas "são dez vezes menores".

Segundo Putin, a Ucrânia lançou esta “contraofensiva em grande escala, utilizando reservas preparadas para este fim”, em 4 de junho, em “vários” setores da frente de batalha.

O presidente russo citou dois setores do sul da Ucrânia e um do leste, sem mencionar Bakhmut, onde as forças ucranianas também relataram ações ofensivas que lhes permitiram avançar várias centenas de metros.

"O inimigo não teve sucesso em nenhuma dessas áreas. Sofreu fortes perdas", metade das quais foram "irreversíveis", acrescentou.

De acordo com Putin, Kiev perdeu "cerca de 25%, ou talvez 30%, dos equipamentos" que os ocidentais forneceram à Ucrânia: 160 tanques e mais de 360 veículos blindados ficaram fora de serviço.

Do lado russo, o presidente relatou a perda de 54 tanques, "alguns dos quais precisam ser consertados".

Além disso, Putin admitiu que as tropas russas na Ucrânia não têm munição de alta precisão e drones suficientes.

"Durante a operação militar especial, ficou claro que nos faltavam várias coisas: munições de alta precisão, equipamentos de comunicação, drones (...). Dispomos deles, mas em quantidade insuficiente, infelizmente", declarou.

O presidente Putin admitiu ainda que a Rússia poderia ter se preparado "melhor" para repelir o fogo de artilharia e ataques de drones lançados da Ucrânia contra áreas russas perto da fronteira nas últimas semanas.

"Claro que é preciso reforçar a fronteira [...] poderíamos ter levado em conta que o inimigo agiria desse modo e poderíamos ter-nos preparado melhor", afirmou, após algumas incursões e ataques lançados, principalmente, contra a região russa de Belgorod.

Na noite de segunda-feira, o governo ucraniano disse que sua ofensiva no sul e no leste da Ucrânia para libertar os territórios ocupados pela Rússia é "difícil", mas avança, com a captura de algumas localidades do sul.

Veja também

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29
COP29

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina
Argentina

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina

Newsletter