EUA

Trump reaparece em público em conferência conservadora e insinua que tentará retornar à Casa Branca

Lotado, o evento no Hotel Hyatt tem o potencial de se tornar mais um comício disseminador do coronavírus

O ex-presidente americano Donald TrumpO ex-presidente americano Donald Trump - Foto: JOE RAEDLE / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GET

Após mais de cinco semanas sem falar em público, o ex-presidente americano Donald Trump deu a entender neste domingo (28) que tentará voltar à Presidência em 2024.

"Eles [democratas] perderam a Casa Branca em novembro. E quem sabe, quem sabe, posso decidir derrotá-los pela terceira vez", afirmou em discurso de encerramento da reunião da Cpac, sigla em inglês para Conferência de Ação Política Conservadora, em Orlando, na Flórida.

O republicano não fazia um discurso público desde que partiu da Casa Branca para seu resort de Mar-a-Lago, na Flórida, em 20 de janeiro -um hiato desse não ocorria havia cinco anos.
 


Lotado, o evento no Hotel Hyatt tem o potencial de se tornar mais um comício disseminador do coronavírus, com o público aglomerado e desafiando a ordem da prefeitura de Orlando de usar máscaras.

Banido das redes sociais e faminto por atenção, Trump discursou por por 1h30 e violou a etiqueta habitual entre ex-presidentes de não criticar seus sucessores.

Ele acusou Joe Biden de ser um desastre para o país na gestão da economia e no cancelamento de políticas que ele implementou, em imigração e política externa. "Fomos de América primeiro para América por último," disse Trump.
Segundo ele, Biden criou uma crise de imigração ilegal, especialmente de menores desacompanhados, acusando-o de ter suspendido medidas de segurança na fronteira.

Os ataques a Biden foram tão prolongados que Trump parecia ainda estar em campanha. Disse que todo o plano de combate à pandemia do coronavírus é dele.

Ridicularizou o democrata por ter dito que não tinha encontrado estoque de vacinas ao chegar à Casa Branca. Mas disse que Biden não deveria estar mentindo porque não tem ideia do que está acontecendo, numa sugestão de que Biden é senil -o democrata tem 78 anos, e Trump, 74.

Assim como fazia em comícios, Trump falou em detalhes sobre assuntos tangentes que nada têm a ver com a conferência de conservadores, como mulheres no esporte. Repetiu mais de uma vez a falsa narrativa de que venceu a eleição de novembro passado. O público respondeu, aos gritos: "Você ganhou! Você ganhou!".

Embora não tenha se declarado candidato oficialmente, Trump deixou claro que não abre mão de reivindicar a liderança do Partido Republicano.

O ex-presidente destacou a importância de recuperar as maiorias na Câmara e no Senado, nas eleições legislativas de 2022. E citou nominalmente todos os senadores e deputados republicanos que votaram pelo impeachment, a lista de alvos de vingança, políticos cuja reeleição vai tentar impedir abençoando outros candidatos leais.

Mas foi Trump que empurrou os republicanos para derrota expressivas, perdendo a maioria da Câmara em 2018 e a do Senado em janeiro, com o segundo turno para duas vagas de senadores na Geórgia -além de ele mesmo não conseguir se reeleger.

As pesquisas confirmam que a devoção a Trump entre republicanos é semelhante à reservada ao líder de um culto. O problema é que o partido, cuja composição demográfica já estava encolhendo ao longo dos anos, sofreu perdas com a invasão do Capitólio, insuflada justamente por Trump, em 6 de janeiro.

Pelo menos 140 mil eleitores se desligaram da legenda nas semanas seguintes ao episódio, um número que pode ser maior, porque 19 dos 50 estados americanos não identificam a filiação partidária de eleitores registrados.

Trump acumulou uma fortuna de mais de US$ 250 milhões arrecadando, via um comitê de ação política, fundos para desafiar a apuração da eleição presidencial.

Na conferência da Cpac, eleitores entrevistados por vários canais se disseram convictos de que Joe Biden não venceu, e Trump seria o presidente legítimo. No fim do discurso, ele pediu ao público para continuar doando para o mesmo comitê, "façam o que puderem".

Esta forma de arrecadação de fundos, dizem críticos, é um golpe ardiloso para Trump usar os fundos em proveito próprio, em viagens, despesas jurídicas e outros gastos permitidos pela porosa legislação eleitoral americana.

A questão é se ele vai, mais uma vez, voltar atrás de promessas de financiar campanhas de candidatos que vier a apoiar nos estados. A campanha de reeleição torrou quase US$ 1 bilhão (R$ 5,6 bilhões) até agosto de 2020 e seguiu mancando, obrigada a cancelar anúncios e outras despesas até a derrota.

O primeiro presidente a tratar a Casa Branca como um cenário de reality show extraiu o máximo da aparição na TV.
Atrasou o início do discurso, marcado para o meio da tarde, e aumentou o suspense da chegada. Assim, teve valioso espaço grátis nos canais de cabo de direita. As redes CNN e MSNBC não transmitira o discurso ao vivo.

Ao entrar no palco, Trump passou cinco minutos passeando de um lado para o outro e bebendo a adoração da multidão. Tocou até num monstro sagrado republicano, perguntando à plateia: "Alguém alguma vez disse 'nós te amamos' a Ronald Reagan?".

O plano de Trump é continuar sugando o oxigênio no território republicano e impedir a emergência de candidatos à eleição de 2024 -a fila de aspirantes é longa.

Por ora, até o senador Mitch McConnell, o mais poderoso republicano em Washington que detesta o presidente, evita cutucar a onça com a vara curta. Apesar de ter acusado Trump de ser responsável pela violência no Capitólio, disse que certamente apoiaria Donald Trump, caso ele fosse o candidato do partido em 2024.

O que McConnell não disse é se apoia a candidatura do homem que enfrenta duas investigações criminais, além de várias outras civis, e terá 78 anos em 2024.

Veja também

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando
Fiscalização

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021
Pandemia

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021