TSE arquiva pedido do PT contra Bolsonaro

O partido acusava o presidente eleito de ter se beneficiado irregularmente da atitude de um empresário que pediu apoio de seus funcionários à candidatura de Bolsonaro

Presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL)Presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por unanimidade, os ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiram arquivar uma ação movida pelo PT contra Jair Bolsonaro (PSL). O partido acusava o presidente eleito de ter se beneficiado irregularmente da atitude de um empresário que pediu apoio de seus funcionários à candidatura do capitão reformado.

A ação afirma que o empresário Denisson Moura de Freitas, dono da Komeco, empresa que vende aparelhos de ar condicionado, teria pedido aos funcionários que trabalhassem usando camisetas e adesivos em apoio a Bolsonaro. A prática configuraria abuso de poder econômico.

O relator do processo, ministro Jorge Mussi, corregedor do TSE, afirmou que a ação não reúne "provas robustas" capazes de demonstrar a existência de grave abuso de poder suficiente.

Leia também:
TSE rejeita ação do PT para cassar Bolsonaro e Mourão
Aloysio Nunes critica saída do Pacto para Migração anunciada por Bolsonaro



"Não configura prática abusiva o engajamento de empresário na campanha de determinado candidato mediante o encaminhamento de mensagem a seus funcionários, no qual se limita a convidá-los a participar de ato de campanha, sem exteriorizar ameaças ou retaliações aos que não aderirem à iniciativa", afirmou Mussi.

O MPE (Ministério Público Eleitoral) já havia recomendado o arquivamento da ação movida pelo PT. Em seu parecer, o MPE apontou não haver indícios de que de fato tenha ocorrido distribuição de camisetas e adesivos de Bolsonaro aos funcionários da Komeco, ou mesmo que a campanha do capitão reformado tivesse conhecimento da ação.

Outras ações Há outras ações contra Bolsonaro em andamento na Corte, também ajuizadas pelo PT. Uma delas investiga o uso do WhatsApp nas eleições com fundamento em outra reportagem da Folha de S.Paulo, do dia 18 de outubro, em que se noticiou que empresários impulsionaram disparos por WhatsApp contra o PT.
A mais recente foi ajuizada no último domingo (9). O partido pede ao tribunal para investigar o suposto uso irregular do WhatsApp para difundir informações durante a campanha eleitoral e tem como base uma reportagem da Folha de S.Paulo, do último dia 2, que mostra documentos apresentados à Justiça do Trabalho por um funcionário de uma empresa que vendia disparos de mensagens em massa.

Veja também

MEC divulga escolas que receberão apoio do Programa Brasil na Escola
Educação

MEC divulga escolas que receberão apoio do Programa Brasil na Escola

Primeiro lote com 62.250 doses da vacina da Janssen chega a Pernambuco
Coronavírus

Primeiro lote com 62.250 doses da vacina da Janssen chega a Pernambuco