TSE começa a discutir aperfeiçoamento de normas para futuras eleições

O objetivo é abrir uma janela para que sejam apontadas contradições e inconsistências nas normas e nas leis eleitorais vigentes

Ministro Edson Fachin coordena os diálogos sobre as regras para eleiçõesMinistro Edson Fachin coordena os diálogos sobre as regras para eleições - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começou nesta segunda-feira (27) a discutir uma nova sistematização para as normas que devem orientar a própria Justiça Eleitoral, partidos, candidatos e eleitores na realização de eleições futuras.

Segundo o tribunal, o objetivo é abrir uma janela para que acadêmicos, juristas e a comunidade em geral apontem conflitos normativos, contradições e inconsistências nas normas e nas leis eleitorais vigentes.

Em um evento realizado nesta segunda-feira (27) e terça-feira (28), contribuições da sociedade civil devem ser apresentadas na sede do TSE, em Brasília.

Leia também:
Bolsonaro reconduz ministro Tarcisio Vieira ao TSE
TSE arquiva investigação de crime eleitoral contra Haddad


Entre os assuntos a serem debatidos estão “os critérios para apresentação de candidatos, as normas de acesso a meios de comunicação, os mecanismos de controle de gastos de campanha e acesso ao Fundo Partidário, as normas para divulgação das pesquisas, as regras e o alcance do incentivo e o imprescindível apoio à participação política das mulheres, as regras da propaganda eleitoral”, destacou o ministro Edson Fachin, ao abrir os trabalhos.

Fachin é o coordenador dos diálogos sobre o assunto, nos quais serão abordados sete eixos temáticos. Ao final deve ser produzida uma minuta propondo uma nova sistematização das normas eleitorais.

Veja também

Nos últimos dois meses, Pernambuco perdeu mais de 100 pessoas por semana para a Covid-19
Pandemia

Nos últimos dois meses, Pernambuco perdeu mais de 100 pessoas por semana para a Covid-19

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas