TSE suspende propaganda do PT que mostra tortura

Ministro atendeu a um pedido feito pela coligação de Bolsonaro, que argumentou que a peça incute medo na população ao sugerir que, se eleito, o militar reformado vai perseguir e torturar opositores

Propaganda do PT mostra Coronel UstraPropaganda do PT mostra Coronel Ustra - Foto: Reprodução/YouTube

O ministro Luis Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), deu liminar para suspender a transmissão de uma propaganda do PT que associa o candidato Jair Bolsonaro (PSL) à tortura. Para Salomão, a peça "tem mesmo potencial para 'criar, artificialmente, na opinião pública, estados mentais, emocionais ou passionais'", ferindo o artigo 242 do Código Eleitoral.

"Ademais, a propaganda em análise reproduz trechos do filme 'Batismo de Sangue', que apresenta cenas muito fortes de tortura. Segundo a classificação indicativa realizada pelo Ministério da Justiça, o conteúdo da mídia, diante das cenas de violência, destina-se à faixa etária acima dos 14 anos, e só poderia ser veiculada, na televisão, após às 21h", escreveu o ministro.

Leia também:
Bolsonaro compartilha vídeo de Mano Brown em que músico faz críticas ao PT
Bolsonaro diz esperar retratação de quem associou caso de mulher marcada com suástica a ele


"Desse modo, é forçoso reconhecer a inviabilidade de sua transmissão, uma vez que as inserções ocorrem ao longo da programação normal das emissoras, distribuídas entre as 5h e 24h."

Salomão atendeu a um pedido feito pela coligação de Bolsonaro, que argumentou que a peça incute medo na população ao sugerir que, se eleito, o militar reformado vai perseguir e torturar opositores.

A propaganda era aberta com o relato de uma mulher que conta que foi torturada durante a ditadura militar.

Veja também

Nota de quem erra só uma questão no Enem pode variar até 92 pontos
Enem

Nota de quem erra só uma questão no Enem pode variar até 92 pontos

Anvisa decide liberação de vacinas contra a Covid-19; acompanhe a reunião ao vivo
Saúde

Anvisa decide liberação de vacinas contra a Covid-19; acompanhe a reunião ao vivo