Turista morre após mergulho em Noronha

De acordo com a assessoria de Imprensa da Ilha, ela teve o primeiro atendimento feito ainda no barco de mergulho pelo filho, que é médico

Secretário-executivo da Casa Civil, André Campos (PSB)Secretário-executivo da Casa Civil, André Campos (PSB) - Foto: Márcio Didier/Blog

 

Era cerca de 10h30 da manhã do último domingo (30) quando o que era uma atividade típica de turismo na Ilha de Fernando de Noronha, o mergulho, se tornou uma fatalidade. Após retornar à superfície de um mergulho de batismo, a cerca de dez metros de profundidade, a turista paulista de 52 anos, que não teve o nome divulgad0, passou mal, vindo a falecer às 11h48, no Hospital São Lucas.

De acordo com a assessoria de Imprensa da Ilha, ela teve o primeiro atendimento feito ainda no barco de mergulho, pelo seu próprio filho, que é médico. Logo após, foi imediatamente levada ao hospital, onde, por 1h20, a equipe médica tentou reanima-la, mas sem sucesso.

No laudo do óbito, choque cardiogênico, quando o coração é incapaz de bombear a quantidade adequada de sangue, causando queda da pressão arterial, falta de oxigênio nos tecidos e acúmulo de líquidos nos pulmões. Se o mergulho motivou ou não o quadro que levou ao falecimento da turista, ainda é cedo para avaliar. Segundo informações da assessoria de Noronha, a praxe para quem vai mergulhar pela primeira vez é responder a um questionário para que seja descartado qualquer tipo de doença que inviabilize o mergulho.

Apesar de a Folha ter procurado saber se o procedimento foi aplicado ou não, até o fechamento desta edição não foi informada qual empresa foi responsável pelo mergulho. Na tarde de ontem, o corpo da turista foi transportado para São Paulo, na cidade Avaré, onde a vítima residia.

 

Veja também

Governo vai apoiar 90 projetos de pesquisa sobre combate à Covid-19
Ciência

Governo vai apoiar 90 projetos de pesquisa sobre combate à Covid-19

América Latina e Caribe passam dos três milhões de casos da Covid-19
Epicentro

América Latina e Caribe passam dos três milhões de casos da Covid-19