#MilkTeaAlliance

Twitter lança emoji sobre movimento pró-democracia na Ásia

A bebida doce que dá nome ao movimento é popular em Hong Kong, Taiwan e Tailândia. Movimento se estendeu a Mianmar

Emoji em solidariedade com ao movimento pró-democracia na ÁsiaEmoji em solidariedade com ao movimento pró-democracia na Ásia - Foto: Reprodução/Twitter

O Twitter lançou, nesta quinta-feira (8), um emoji sobre a chamada "aliança do chá com leite", um movimento que reúne ativistas pró-democracia na Ásia.
 
A aliança, que começou no ano passado e tem seu nome pela popularidade desta bebida doce em Hong Kong, Taiwan e Tailândia, coloca-se como uma rede de solidariedade contra o autoritarismo.

 

 
Movimento ganhou força quando, no final do ano passado, ativistas tailandeses que exigiam a reforma do governo e da monarquia começaram a emular as técnicas usadas por vários meses, em 2019, por manifestantes pró-democracia em Hong Kong.
 
O movimento se estendeu a Mianmar - onde o chá com leite condensado é um alimento básico no café da manhã -, após o golpe militar de 1º de fevereiro que derrubou Aung San Suu Kyi.
 
"Para comemorar o primeiro aniversário da Aliança #MilkTea, criamos um emoji com 3 cores diferentes de chá com leite das regiões onde a Aliança foi formada", disse o Twitter na quarta-feira (7).

 


A imagem aparece em qualquer tuíte com a hashtag "aliança do chá com leite" em inglês, tailandês, coreano e outros idiomas asiáticos.
 
"Sempre em solidariedade, não importa quão duros sejam os tempos", tuitou Joshua Wong, uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong, após a notícia. 
 
O termo foi usado no Twitter mais de 11 milhões de vezes desde abril de 2020, segundo esta rede social, e voltou a ganhar força após o golpe de Estado em Mianmar.

Veja também

CNM pede coordenação para enfrentar covid-19 e nega estoque de vacina
Pandemia

CNM pede coordenação para enfrentar covid-19 e nega estoque de vacina

Direção do partido de Merkel apoia Armin Laschet para suceder à chanceler
Alemanha

Direção do partido de Merkel apoia Armin Laschet para suceder à chanceler