ONU

Ucrânia denuncia 'genocídio' na Assembleia Geral da ONU

"Já está claro que o objetivo da Rússia não é só a ocupação. É um genocídio", disse o embaixador

Sergiy Kyslytsya, embaixador da Ucrânia nas Nações Unidas (ONU), segura a Carta das Nações Unidas enquanto fala na Assembleia Geral da ONU para uma sessão especial sobre a violência na Ucrânia em 2 de março de 2022 na cidade de Nova YorkSergiy Kyslytsya, embaixador da Ucrânia nas Nações Unidas (ONU), segura a Carta das Nações Unidas enquanto fala na Assembleia Geral da ONU para uma sessão especial sobre a violência na Ucrânia em 2 de março de 2022 na cidade de Nova York - Foto: Spencer Platt / Getty Images North America / Getty Images via AFP

O embaixador da Ucrânia nas Nações Unidas, Kyslytsya, acusou a Rússia de querer promover um genocídio em seu país antes da votação de uma resolução na Assembleia Geral das Nações Unidas de condenação da invasão russa da Ucrânia.

"Já está claro que o objetivo da Rússia não é só a ocupação. É um genocídio", disse o embaixador.

"Vieram privar a Ucrânia do próprio direito de existir", disse Kyslytsya antes da votação para pedir a retirada das forças russas da Ucrânia.

Desde segunda-feira, a Assembleia Geral da ONU se reuniu excepcionalmente para analisar a invasão russa da Ucrânia. A reunião acaba nesta quarta-feira com a votação de uma resolução de condenação após o fracasso de um texto semelhante no Conselho de Segurança na última sexta-feira pelo veto da Rússia.

Os 193 países da ONU foram convocados a votar esta resolução.

Veja também

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação
Télam

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação

Moda da Hermès desafía todos os elementos
Moda

Moda da Hermès desafía todos os elementos