Mundo

Ucrânia tenta 'ganhar tempo' em Bakhmut diante do avanço das tropas russas

No sábado, o serviço de inteligência do Reino Unido afirmou que a linha de frente mudou na cidade, mas que qualquer avanço russo representaria um "grande desafio"

UcrâniaUcrânia - Foto: AFP

O exército da Ucrânia prossegue com a defesa de Bakhmut neste domingo (12) diante do avanço das tropas russas no leste do país, com o objetivo de "ganhar tempo" antes de uma possível contraofensiva.

No sábado, o serviço de inteligência do Reino Unido afirmou que a linha de frente mudou na cidade, mas que qualquer avanço russo representaria um "grande desafio".

A localidade devastada no leste da Ucrânia é o epicentro da batalha mais prolongada e violenta desde o início da ofensiva russa, há mais de um ano.

Alguns analistas militares questionam a importância estratégica e o sentido de defender a cidade, mas o comandante das forças terrestres ucranianas, Oleksandr Syrsky, afirmou no sábado que a presença em Bakhmut ajuda a ganhar tempo no planejamento de uma futura contraofensiva.

"Os verdadeiros heróis são os defensores que carregam o peso da frente leste em seus ombros", disse o militar, citado pelo serviço de imprensa do exército ucraniano.

"É necessário ganhar tempo para acumular reservas e iniciar uma contraofensiva, que não está longe", acrescentou.

O exército ucraniano afirmou neste domingo que "15 localidades na região de Bakhmut foram alvos de ataques russos" no sábado, o que demonstra a intensidade dos combates ao redor da cidade.

"Zona da morte"

Em um vídeo divulgado no sábado, o fundador do grupo paramilitar russo Wagner, Yevgueni Prigozhin, afirmou que suas unidades estavam próximas do centro administrativo de Bakhmut.

"Este é o edifício da administração municipal", afirmou, apontando para o imóvel do teto de outro prédio.

"Estão a um quilômetro e 200 metros", acrescentou no vídeo publicado pela assessoria de sua empresa Concord.

"O mais importante é conseguir a quantidade correta de munição e avançar", completou Prigozhin de uniforme militar.

Os homens de Prigozhin estão nos postos mais avançados da batalha por Bakhmut, que provocou muitas baixas dos dois lados.

De acordo com a inteligência militar britânica, o rio Bakhmutka, no centro da cidade, marca agora a linha de frente.

"As forças ucranianas controlam o oeste da cidade e demoliram as principais pontes sobre o rio, que vai de norte a sul por um terreno aberto", acrescentou o ministério britânico da Defesa.

"Esta área virou uma zona da morte e pode representar um grande desafio para as forças do grupo Wagner, que tentam prosseguir com o ataque frontal no sentido oeste", explicou a inteligência do Reino Unido.

Prigozhin, aliado do presidente Vladimir Putin, trava uma luta de poder com o ministério da Defesa e criticou o comando militar russo, que acusa de não fornecer munições às tropas do grupo Wagner.

Em uma entrevista ao francês Journal de Dimanche, a vice-primeira-ministra ucraniana, Olga Stefanishyna, admitiu que "é complicado resistir e impedir" o avanço das tropas russas em Bakhmut.

"Calculamos que o exército russo perdeu 150.000 homens desde o ano passado em suas ofensivas militares. A massa humana de sua infantaria é uma arma formidável, parece infinita em volume e tempo", declarou.

Bombardeios em Kherson

No sul da Ucrânia, pelo menos três pessoas morreram e três ficaram feridas em um bombardeio russo em Kherson no sábado, informaram as autoridades locais neste domingo.

A cidade foi libertada pelas forças de Kiev em novembro, após vários meses de ocupação russa. Mas desde então, a região, que Moscou controla parcialmente, é alvo de bombardeios contínuos.

"Os terroristas russos bombardearam Kherson novamente", afirmou no sábado o chefe do gabinete da presidência ucraniana, Andriy Yermak, que divulgou uma foto dos bombeiros ao lado de um veículo em chamas.

Veja também

Quatro navios dos EUA encalham perto de cais temporário em Gaza
Gaza

Quatro navios dos EUA encalham perto de cais temporário em Gaza

Governo do Rio Grande do Sul sanciona lei que institui plano de reconstrução do estado
Rio Grande do Sul

Governo do Rio Grande do Sul sanciona lei que institui plano de reconstrução do estado

Newsletter