Uefa afirma que Eurocopa pode ter diminuição de cidades-sede

Ceferin diz que três cidades estão problemas para receber competição

Aleksander Ceferin, presidente da UefaAleksander Ceferin, presidente da Uefa - Foto: AFP

A pandemia do novo coronavírus (covid-19) pode fazer com a que a próxima edição da Eurocopa, remarcada para o período de 11 de junho a 11 de julho de 2021, aconteça com menos sedes do que o previsto inicialmente, é o que afirma o presidente da Uefa (entidade máxima do futebol europeu), o esloveno Aleksander Ceferin.

“A ideia é permanecer nas mesmas cidades. Tivemos conversas com nove cidades e está tudo pronto. Com três cidades, temos alguns problemas. Então, discutiremos mais e, a princípio, faremos isso em 12 cidades. Mas, se não [for possível], estamos prontos a fazê-lo em 10, nove ou oito [cidades-sede]”, declarou o dirigente da Uefa.

Leia também:
Uefa confia em disputa da Liga dos Campeões até o final
'Decisão prematura', diz presidente da Uefa sobre fim do Campeonato Francês


A próxima Eurocopa será uma edição festiva da competição. Ela celebra os 60 anos do torneio, e estava programada para acontecer, em 2020, em 12 sedes diferentes no território do Velho Continente.

Em razão da pandemia do novo coronavírus, no início de março a Uefa emitiu um comunicado adiando a 16ª edição da Eurocopa para o período de 11 de junho a 11 de julho de 2021.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Senado aprova uso de verbas de saúde por estados e municípios
Saúde

Senado aprova uso de verbas de saúde por estados e municípios

Eficácia da vacina anticovid da Moderna cai ligeiramente para 90% em teste nos EUA
Coronavírus

Eficácia da vacina anticovid da Moderna cai ligeiramente para 90% em teste nos EUA