UFPE anuncia lançamento de app de acionamento imediato da segurança

O aplicativo poderá ser usado pelos estudantes e funcionários da universidade e contará com um botão de pânico. A informação foi divulgada nesta segunda, após prints de ameaças de um suposto ataque armado

Campus da UFPECampus da UFPE - Foto: Clemilson Campos/Arquivo Folha

Ainda neste mês, será lançado um aplicativo para celulares que permitirá estudantes e funcionários da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) acionarem imediatamente a segurança do campus em situações de perigo. De acordo com o Superintendente de Segurança Institucional, Armando Nascimento, o serviço contará com um botão do pânico, que ao ser demandado emitirá um sinal à Central de Monitoramento. No mesmo instante será acionada a câmera mais próxima de onde o alerta foi feito e também será deslocada uma equipe para o local. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (10) após começar a circular em redes sociais, no fim de semana, prints de conversas de um suposto ataque armado prestes a acontecer.

De acordo com Armando Nascimento, o aplicativo foi desenvolvido pelo Diretor de Pesquisa de TI de Segurança da UFPE em parceria com alunos do Centro Universitário dos Guararapes (UNIFG). "Ele está sendo testado há cerca de quatro meses e será apresentado em uma Feira Internacional de Segurança, em São Paulo, no dia 26 de junho, sendo disponibilizado logo em seguida para a comunidade acadêmica", afirma o Superintendente. Ele explica que o aplicativo tem interface com várias áreas da universidade e poderá ser usado para denunciar outros problemas, como ocorrências de furtos e postes danificados e sem iluminação.

Leia também: 
UFPE se posiciona após ameaça de ataque armado
UFPE preocupada com corte de verbas federais

Além disso, está em processo de licitação a instalação de 100 câmeras de segurança para o campus Recife, que atualmente conta com apenas 20 em toda a área. A expectativa é que os novos equipamentos entrem em funcionamento até outubro deste ano. Os aparelhos serão colocados em cabines e pontos estratégicos, segundo Nascimento. "Neste período também vamos implementar uma nova Central de Monitoramento com equipamentos mais modernos, que poderão receber inteligência artificial. Estamos implementando ainda um software que ele não precisa de uma quantidade excessiva de pessoas para monitorar as câmeras", detalha.

Nascimento garante que desde o fim de semana, quando a Superintendência de Segurança Institucional (SSI) da UFPE ficou sabendo das ameaças, foi feito um novo designe na segurança. "Paralelo a isso acionamos as polícias Federal e Militar. A universidade está em plena normalidade. É importante ressaltar que nos próprios comentários das ameaças o suspeito falou que a ação foi frustrada devido à presença da PM e que vão aguardar uma falha na nossa segurança para agir, mas é justamente nisto que vamos continuar trabalhando para que não aconteça", comenta Nascimento.

Ainda assim, o sentimento de insegurança prevalece no campus. Para os estudantes Cecília Guerra, de 19 anos, Marconi Malaquias, 18, e Suzane Andrade, 30, é preciso ficar em alerta. "Espero que os responsáveis pelas ameaças tenham mais empatia, pois estamos vivendo em um ambiente universitário que é tão importante, principalmente hoje em dia, para cuidas destas questões. É uma grande falta de respeito com a comunidade acadêmica. Existem muitas outras formas de tratar esse ideologismo político que não seja ameaçando a todos, principalmente estudantes", avalia Cecília.

O assistente administrativo Vianney Bezerra, 44 anos, diz que a preocupação dele é dobrada porque a filha de 16 anos estuda no Colégio de Aplicação (CAp) da UFPE. Ele afirma que alguns pais, inclusive, resolveram não levar os filhos para o colégio por medo de que algo grave ocorresse. "Me causa estranheza que mesmo depois destes episódios a segurança parece não ter sido reforçada. O CE (Centro de Educação), CAC (Centro de Artes e Comunicação) e CFCH (Centro de Filosofia e Ciências Humanas) estão mais vulneráveis pelo tipo de ameaça que foi feita, mas não vemos a presença de policiais aqui. Ou estão tratando o assunto de forma banal ou não tem efetivo", questiona.

UFRPE A Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) divulgou nesta segunda-feira uma nota afirmando que estão sendo tomadas as medidas necessárias para a investigação de informações disseminadas em redes sociais que apontam para a suposta organização de um ataque armado ao campus de Dois Irmãos, no Recife. "A Reitoria da Instituição tomou ciência da situação durante o domingo (9) e entrou em contato, de maneira imediata, com a Política Federal e a Secretaria de Defesa Social a fim de que as providências necessárias sejam tomadas. A Divisão de Segurança Universitária (DSU) da UFRPE está trabalhando com os órgãos da segurança pública na investigação do caso. O material coletado já foi encaminhado às autoridades policiais, que monitoram o caso. Ações integradas entre a DSU, Polícia Federal e Polícia Militar já estão sendo realizadas em caráter preventivo", diz o comunicado. A Folha de Pernambuco entrou em contato a PF, mas a Assessoria de Imprensa da corporação disse que não poderia comentar o caso.

 

Veja também

Shopping Guararapes recebe doações de sangue em campanha de coleta externa do Hemope
Doe vida

Shopping Guararapes recebe doações de sangue em campanha de coleta externa do Hemope

Alemanha quer restringir voos com Brasil, Reino Unido, África do Sul e Portugal
Covid-19

Alemanha quer restringir voos com Brasil, Reino Unido, África do Sul e Portugal