UFPE testa app vigilante de mosquitos

Capital deve lançar em até um mês e meio a estratégia que apontará para a dimensão da infestação do Culex

Monitoramento vai incluir casas e canais onde o mosquito pode se replicarMonitoramento vai incluir casas e canais onde o mosquito pode se replicar - Foto: Leo Mota/arquivo folha

Depois da confirmação de que o zika pode ser transmitido pelo Culex, a popular muriçoca, o Recife vai acelerar um projeto de monitoramento da população desses mosquitos. O modelo será bem semelhante à vigilância que a cidade já faz para o Aedes aegypti. Com a muriçoca, o Centro de Vigilância Ambiental (CVA), ligado a Secretaria de Saúde do município, também distribuirá ovitrampas em algumas residências e estruturará estações de vigilância da replicação de muriçocas em canais. Esta rede deve começar em um mês e meio.

A estratégia vem preencher uma lacuna sobre o volume de Culex, tema que andava esquecido, desde que a filariose, doença carreada por este mosquito, saiu do status de endêmica. “Hoje não aferimos a população de Culex , mas já era planejamento nosso ter um indicador e dizer em que áreas a população de mosquitos é maior ou menor. Isso já vinha sendo desenhado e com essa notícia a gente acelera”, afirmou o coordenador do CVA, Jurandir Almeida. Ele comentou, que apesar de novo, o levantamento de indíce para muriçoca no Recife deve ser construído de forma rápida. E exemplificou que os agentes de endemias já eram treinados para identificar e combater focos de Culex, mesmo quando não havia presença de doença relacionada.

Leia também:
Recife usará mosquitos estéreis para combater a dengue
Fiocruz comprova que muriçoca pode transmitir o vírus da zika

Agora com a possibilidade da infecção pelo zika, as muriçocas voltam a ter destaque. Almeida explicou que a ideia para conhecer a densidade vetorial terá duas frentes. Uma delas vai espalhar ovitrampas em imóveis da cidade com material que atraia as muriçocas. A eleição das casas para receber o equipamento e a periodicidade de coleta e contagem dos ovos depositados nas ovitrampas ainda estão sendo definidas. A outra frente consistirá na coleta de material ao longo de canais que cortam a cidade, e que podem funcionar como incubadoras gigantes para a proliferação do mosquito. Sobre os canais, além do tratamento focal, o CVA deve reforçar cooperações com a Emlurb para a limpeza. Em relação ao Aedes aegypti, o Recife tem hoje um índice de infestação de 2,6%, classificado com risco alto.

Repercussão
A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que vem apoiando e acompanhando todas as pesquisas realizadas Fiocruz sobre o zika. Inclusive, colaborou com o trabalho de identificação da muriçoca como vetor do vírus, encaminhando mosquitos coletados por aspiração. Sobre o resultado do estudo, a SES ressaltou que ele só reforça a necessidade do permanente engajamento da população, das entidades e do próprio poder público para acabar com os criadores dos mosquitos Aedes, responsável pela transmissão da dengue, chickungunya e zika, e do Culex, que já era conhecido vetor da filariose. O Ministério da Saúde (MS) até ontem não tinha se posicionado sobre o estudo que relaciona a muriçoca como vetor do zika, nem sobre possíveis novas estratégias que podem ser tomadas no nível nacional.

Recife pesquisará índice de muriçoca

Especialistas nacionais e internacionais estiveram reunidos ontem, na UFPE, para avaliar um aplicativo que promete ajudar no monitoramento digital e em tempo real de mosquitos. O app está sendo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos. A nova tecnologia recebeu o nome de VectorWEB e vem sendo desenhada desde o ano passado, quando o País e o mundo ficaram em alerta devido ao zika vírus. O projeto é um software capaz de compilar dados de infestação e transformá-los em informação estratégica disponível na internet para uso tanto da população como dos governos. A iniciativa é financiada pela Agência Americana de Desenvolvimento (USAID).
“Estamos agora estudando a viabilidade e usabilidade do aplicativo. Estamos testando o eles construíram e opinando sobre o que pode ser melhorado, se ele é usável ou não. Daqui a três ou quatro meses eles voltam para a reavaliação”, explicou a coordenadora nacional do Vector Web, a pesquisadora da UFPE Sylvia Lemos Hinrichsen. A ideia é que as informações de densidade de mosquitos possam ser acessadas até mesmo do celular. O app VectorWEB estará interligado pela web a ovitrampas high tech dotada de sensores que mostram em tempo real a infestação de mosquitos diversos.

A pesquisadora informou ainda este ano haverá a testagem de campo desta tecnologia em uma área do Campus da UFPE e outra área da Universidade Federal da Paraíba.

 

Veja também

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil
VACINAÇÃO

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil

Primeiras doses da vacina AstraZeneca/Oxford chegam a Pernambuco neste domingo
VACINAÇÃO

Primeiras doses da vacina AstraZeneca/Oxford chegam a Pernambuco neste domingo