OLIMPÍADAS

Paris 2024: Brasil se classifica nos revezamentos 4x100 metros livre

Vagas foram confirmadas após o Mundial de Esportes Aquáticos de Doha

Equipe brasileira de revezamentio aquático classificada para OlimpíadasEquipe brasileira de revezamentio aquático classificada para Olimpíadas - Foto: Sátiro Sodré/SSPress

Leia também

• Com Lebron, Curry e Durant, EUA anunciam lista de 41 jogadores que concorrem à vaga nas Olimpíadas

• 'Salto do século': ex-atleta vende por R$ 2 milhões medalha conquistada nas Olimpíadas do México

As equipes de revezamento 4x100 metros estilo livre do Brasil garantiram a classificação para a próxima edição dos Jogos Olímpicos, que serão disputados em Paris (França) em 2024, na manhã deste domingo (11) no Mundial de Esportes Aquáticos que está sendo disputado em Doha (Catar).

Segundo o regulamento da World Aquatics (Federação Internacional de Natação), as equipes que conquistarem medalhas no Mundial de Fukuoka (Japão) e as que garantirem um dos 13 melhores tempos nos Mundiais de Fukuoka e de Doha se classificarão para os Jogos de Paris.

Após a realização das finais das provas na manhã deste domingo, os dois times brasileiros garantiram um dos 13 melhores tempos e “carimbaram o passaporte” para Paris 2024. A equipe feminina encerrou a disputa em Doha na 6ª colocação com a marca de 3min40s56. Antes, em Fukuoka, Ana Vieira, Maria Fernanda Costa, Stephanie Balduccini e Aline Rodrigues, haviam alcançado o tempo de 3min38s99, nas eliminatórias, o que foi suficiente para a classificação.

“Tentamos vir melhor. Estamos felizes de chegar à final e conseguimos garantir o Brasil em Paris”, declarou Ana Carolina Vieira.

Já o time masculino não chegou nem a nadar em Doha, mas garantiu a vaga pelo desempenho de Fukuoka, quando Guilherme Caribé, Marcelo Chierighini, Felipe Souza e Victor Alcará fizeram o tempo de 3min13s82.

Veja também

Projeto Social ensina escrita criativa para jovens
INICIATIVA

Projeto Social ensina escrita criativa para jovens

Fortuna dos cinco homens mais ricos do mundo dobrou desde 2020
ECONOMIA

Fortuna dos cinco homens mais ricos do mundo dobrou desde 2020