Último programa eleitoral tem ataque entre presidenciáveis

Gravação exibida na noite desta sexta (26) em todos os canais abertos de TV mostrou basicamente as mesmas falas e imagens

Polarização nacional é confirmada: Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) se enfrentarão no segundo turno da eleição para presidentePolarização nacional é confirmada: Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) se enfrentarão no segundo turno da eleição para presidente - Foto: AFP

No último dia de propaganda eleitoral no rádio e na televisão, os candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) mantiveram o tom de ataques diretos entre eles e seus partidos. A gravação exibida na noite desta sexta (26) em todos os canais abertos de TV mostrou basicamente as mesmas falas e imagens, utilizando uma estratégia semelhante de utilizar apresentadores e locutores para as críticas mais fortes.

Leia também:
Ministro decide dar seguimento a ação sobre inelegibilidade de Haddad
Em entrevista de 1993, Geisel diz que Bolsonaro era mau militar que pedia volta da ditadura


Bolsonaro
A única mudança no programa do presidenciável do PSL foi um relato sobre a facada que ele levou durante a campanha do primeiro turno, em Juiz de Fora (MG). Falando diretamente com o eleitor, Bolsonaro disse que é um “milagre” estar vivo, que o município mineiro é agora a sua segunda cidade natal e voltou a falar de uma possível vitória nas urnas.

“Lá eu nasci de novo. Salvaram a minha vida. Logicamente a mão de Deus se fez presente. Hoje nós temos uma possibilidade concreta, real de ganhar as eleições. Precisamos para tal de nos manter unidos e combater as mentiras”, disse. O candidato voltou a falar que se essa for a “vontade de Deus”, estará pronto para cumprir a missão.

O presidenciável ainda disse que os últimos governos mergulharam o país na “mais completa crise ética, moral e econômica”. Antes da fala de Bolsonaro, a propaganda reexibiu críticas que vinham sendo feitas ao PT, vinculando o partido à violência, ao desemprego e à corrupção. "Agora é o Brasil contra o PT", pregou o apresentador do programa.

A campanha afirmou que o PT ficou 13 anos no poder e "quebrou o país". Dentre as acusações estão a de que a sigla quer voltar à Presidência para modificar a Constituição Federal, censurar a imprensa e acabar com a Operação Lava Jato.

Haddad
A campanha eleitoral de Fernando Haddad iniciou o programa eleitoral exibindo gravações com falas de Bolsonaro criticando os pobres e defendendo a tortura. Foi veiculado um trecho em que o candidato do PSL diz que o pobre só serve para votar, “com o título de eleitor na mão e o diploma de burro no bolso”.

A apresentadora lembrou a recente afirmação de Bolsonaro de que iria “fuzilar a petralhada” e exibiu depoimento de mulheres que foram torturadas por Brilhante Ustra - coronel do Exército que comandou órgãos de repressão durante a ditadura militar. Bolsonaro considera Ustra uma de suas principais influências.

O candidato do PT voltou a defender que governará o país com diálogo, construindo pontes, e se diz confiante com a virada. “O Brasil precisa de um presidente que enfrente as dificuldades de cabeça erguida, com coragem. Que não tenha medo de encarar o debate com a sociedade olho no olho. Que respeite todas as pessoas. Governe para todos e saiba cuidar das pessoas que mais precisam”, disse.

Reforçando a tese de virar a disputa na reta final, a propaganda ainda afirmou que quem conhece o candidato, vota nele. “Eu acredito no Brasil. Eu acredito no povo brasileiro - domingo vamos vencer essa eleição e reconstruir o nosso país pelo caminho da paz, da inclusão social e democracia”, encerrou Haddad.

Veja também

Três estudantes morrem ao cair do quarto andar de universidade boliviana
Acidente

Três estudantes morrem ao cair do quarto andar de universidade boliviana

Com hospitais superlotados, Santa Catarina transfere pacientes para o Espírito Santo
Pandemia

Com hospitais superlotados, Santa Catarina transfere pacientes para o Espírito Santo