Um homem é preso por adulterar combustível no Cabo

De acordo com a Polícia Civil, produto seria entregue na Cooperativa de Transporte Coletivo, no bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife

Caminhão transportava combustível adulteradoCaminhão transportava combustível adulterado - Foto: PCPE / Cortesia

Uma pessoa foi presa e outra três prestaram depoimento na tarde desta terça-feira (27) suspeitas de adulterar combustível no Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife. O esquema, de acordo com a Polícia Civil de Pernambuco, acontecia em um galpão clandestino situado na Avenida José Faustino dos Santos. O homem preso era o responsável pelo lugar e, no momento da operação, tentou subornar os policiais com uma quantia de R$ 3.700.

Leia também
Quadrilha de roubo de combustível é descoberta
Caminhão que transportava combustível pega fogo na BR-101, em Escada


Após receber denúncia, a polícia flagrou no local dois caminhões saindo do galpão. A delegada Beatriz Gibson, da Delegacia do Consumidor do Cabo de Santo Agostinho, detalhou que os veículos foram seguidos e interceptados na BR-101. Depois de realizar um teste, os policiais constataram que o combustível era impróprio para uso. O produto seria entregue, ainda segundo a delegada, na Cooperativa de Transporte Coletivo (Copernorte), no bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife. No depósito, foram encontrados ainda tonéis para combustíveis, tanques, lacres e outros materiais que seriam utilizados no crime.

Os suspeitos não tiveram suas identidades reveladas. O responsável pelo depósito foi autuado em flagrante por adulteração e corrupção ativa e será encaminhado para audiência de custódia. Já os outros três suspeitos - dois motoristas e um funcionário do galpão – foram conduzidos à Delegacia do Consumidor, onde prestaram depoimento. O material apreendido será encaminhado à Justiça.

Veja também

Em dia de novo recorde de casos, máscara obrigatória passa a valer em Portugal
Coronavírus

Em dia de novo recorde de casos, máscara obrigatória passa a valer em Portugal

Oposição reage contra decreto que estuda gestão privada de unidades básicas de saúde
saúde

Oposição reage contra decreto que estuda gestão privada de unidades básicas de saúde