União investe mais de R$ 1 mi em área de proteção ambiental do Litoral Sul de PE

Recurso será destinado à Área de Proteção Ambiental de Guadalupe, que abrange os municípios de Sirinhaém, Rio Formoso, Tamandaré e Barreiros

Meio ambienteMeio ambiente - Foto: CPRH / divulgação

A Área de Proteção Ambiental (APA) de Guadalupe, unidade de conservação de 44 mil hectares situada no Litoral Sul pernambucano, receberá um investimento de R$ 1,05 milhão por meio do projeto GEF-Mar, iniciativa do Governo Federal criada para promover a longevidade da biodiversidade marinha e costeira.

Sob coordenação do Ministério do Meio Ambiente (MMA), as ações prioritárias serão implementadas pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e a Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH).

A APA Guadalupe é vizinha à APA Costa dos Corais, unidade de conservação já apoiada pelo projeto, e abrange os municípios de Sirinhaém, Rio Formoso, Tamandaré e Barreiros. A iniciativa atende aos princípios da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), tratado da Organização das Nações Unidas considerado um dos mais importantes instrumentos internacionais relacionados ao meio ambiente.

Leia também:
Embaixador da Alemanha confere ações voltadas à APA Costa dos Corais
Unidade de Conservação marinha ganha reforço na sua proteção ambiental

    
De acordo com o secretário em exercício de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Carlos André Cavalcanti, as atividades terão início em março, quando equipes cairão em campo para realizar diagnóstico das atividades econômicas realizadas pelas 91 famílias do assentamento Amaraji. A escolha do território se deveu ao seu reconhecimento pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

"Amaraji tem uma forte organização na agricultura, com destaque na produção de hortaliças, criação de animais de médio porte e apicultura. Definiremos estratégias de gestão que fortaleçam e dinamizem a economia dessas famílias sem haver perda dos recursos naturais", explica.

Após o diagnóstico e levantamento de todos esses Arranjos Produtivos Locais (APLs), como são chamadas as atividades econômicas feitas de maneira autônoma num assentamento rural, é que será feita a aquisição de insumos e bens, capacitações e oficinas com a comunidade. Essa segunda etapa terá a participação da comunidade e de membros do conselho gestor da APA de Guadalupe.

"Ao aperfeiçoar o trabalho das famílias de Amaraji, de forma que torne as atividades mais produtivas e que gerem renda sem ter perda de biodiversidade, estamos cumprindo com as metas impostas pela CBD (Convenção sobre Diversidade Biológica)", ressalta Cavalcanti. A implantação do GEF-Mar na APA Guadalupe será supervisionada pelo MMA e pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), responsável pela execução financeira do projeto.

Veja também

Mundo impõe cada vez mais medidas contra variante ômicron, que pode se tornar dominante na Europaômicron

Mundo impõe cada vez mais medidas contra variante ômicron, que pode se tornar dominante na Europa

Carnaval em Pernambuco depende do cenário da ômicronCovid-19

Carnaval em Pernambuco depende do cenário da ômicron