Campanha de vacinação

Unicef alerta sobre queda 'alarmante' de vacinação em crianças na América Latina

Na América do Sul, o Uruguai, com 92%, apresenta os melhores dados

vacinacao_de_criancas_covid 19_ubs_5_de_taguatinga_sul_jfcrz_abr_1601220031vacinacao_de_criancas_covid 19_ubs_5_de_taguatinga_sul_jfcrz_abr_1601220031 - Foto:

Uma em cada quatro crianças da América Latina e Caribe não tem o calendário completo de vacinação, o que as torna vulneráveis a doenças perigosas, em uma região com uma queda "alarmante" de menores vacinados, alertou o Unicef nesta segunda-feira (25). 

"Em apenas cinco anos, o calendário completo de vacinação de difteria, tétano e coqueluche caíram de 90% em 2014 para 76% em 2020", apontou o Unicef em um comunicado.

Isto significa, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, que "uma em cada quatro crianças" na América Latina não receberam o esquema completo de vacinação de rotina que as protegeria de "diversas doenças".

"A queda das taxas de vacinação na região é alarmante", alertou Jean Gough, diretora regional do Unicef para América Latina e Caribe, com sede no Panamá. 

A situação "deixa milhões de meninos, meninas e adolescentes expostos a doenças graves, ou até mesmo à morte, quando poderia ser evitado", acrescentou.

Segundo dados do Unicef, Haiti e Suriname, com apenas metade das crianças vacinadas contra difteria, tétano e coqueluche, apresentam os menores percentuais de cobertura da região contra essas doenças.

São seguidos por Venezuela, com 60%, Bolívia, 68%, e Equador, com 70%.

Em contraste, São Cristóvão e Nevis, Dominica, São Vicente e Granadinas, e Cuba no Caribe e Costa Rica na América Central têm a maior cobertura, com mais de 95%. 

Na América do Sul, o Uruguai, com 92%, apresenta os melhores dados.

O Unicef aponta que a queda da cobertura em 14 pontos percentuais nos últimos cinco anos afeta quase 2,5 milhões de crianças, que não receberam as três doses da vacina contra a difteria, tétano e coqueluche.

Destes, 1,5 milhão não receberam nem mesmo a primeira dose dessa vacina.

A diminuição da cobertura de vacinação já havia começado antes da pandemia da covid-19. No entanto, a situação se agravou com a suspensão de serviços básicos de saúde devido ao coronavírus e o medo de se contagiar ao procurar um centro médico.

"São várias as causas para esse declínio", comentou à AFP Ralph Midy, especialista regional em Saúde Materna e Neonatal do Unicef na América Latina e no Caribe. 

"O contexto da região mudou nos últimos cinco anos. Os governos têm focado sua atenção em outras questões emergentes de saúde pública, como zika, chikungunya e mais recentemente covid-19", acrescentou.

A existência de populações migrantes de difícil localização e que nem sempre têm acesso a serviços regulares de saúde, além de pessoas que vivem em áreas isoladas ou de difícil acesso, também dificultam o processo de vacinação. 

O Unicef alerta que a diminuição do percentual de crianças vacinadas é um "revés perigoso", porque coloca em risco a saúde de menores, que podem sofrer consequências ao longo da vida. 

Além disso, a diminuição da vacinação também facilita a disseminação de doenças como o sarampo, cujo vírus é altamente contagioso. 

Dados das Nações Unidas indicam que enquanto em 2013 foram registrados 500 casos de sarampo, em 2019 o número subiu para mais de 23 mil. O mesmo com a difteria, que passou de cinco casos, em 2013, para quase 900 em 2019.

"Precisamos voltar à cobertura de 90% que tínhamos cinco anos atrás e até melhorá-la", disse Midy. 

"À medida que os países se recuperam da pandemia, é necessária uma ação imediata para evitar que as taxas de cobertura caiam ainda mais, porque o potencial ressurgimento de surtos de doenças também representa um sério risco para toda a sociedade", ressaltou Gough.

Veja também

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'
ATENTADO

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump
SOLIDARIEDADE

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump

Newsletter