A-A+

Universidades públicas aguardam definição sobre o Sisu; calendários continuam mantidos

Caso seja realmente adiada a divulgação dos resultados, o atraso pode afetar todo o cronograma das instituições

Universidade Federal de PernambucoUniversidade Federal de Pernambuco - Foto: Rafael Furtado/ Folha de Pernambuco

Devido à ação judicial do Ministério Público Federal (MPF) solicitando o adiamento da divulgação dos resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), até então marcada para esta terça-feira (28), o calendário letivo das instituições públicas de ensino superior podem sofrer alterações. A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e a Universidade de Pernambuco (UPE) aguardam pronunciamento oficial do Ministério da Educação (MEC) para decidir sobre a mudança ou não no cronograma.

De acordo com a UFPE, mesmo que os resultados não sejam divulgados nesta terça, não haverá mudanças drásticas no calendário da instituição, e o plano de aulas será mantido e iniciado no dia 2 de março.

Já a UFRPE e a UPE declararam que aguardam pronunciamento, mas, que a depender da data do adiamento, reuniões serão marcadas e o cronograma será revisto e, consequentemente, alterado. No calendário atual, as aulas da UFRPE e UPE também serão iniciadas no dia 2 de março.

Leia também:
AGU recorre de decisão que suspende divulgação dos resultados do Sisu
Justiça determina a suspensão da divulgação de notas do Sisu
MEC suspende inscrições do ProUni por tempo indeterminado

Segundo a UFRPE, muitos alunos têm procurado a instituição por meio das redes sociais solicitando alguma resposta sobre o possível atraso. A universidade informou que, caso o MEC não apresente nenhuma informação sobre a suspensão da divulgação das notas, será emitido um comunicado oficial no site e nas redes sociais da própria instituição com explicações para os estudantes.

Veja também

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar