Vale do São Francisco contabiliza prejuízo de mais de R$ 500 milhões

De acordo com o Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), produtores do Vale do São Francisco já deixaram de comercializar 40 mil toneladas de uvas e 60 mil toneladas de mangas

Frutas no Vale do São Francisco Frutas no Vale do São Francisco  - Foto: Divulgação

Produtores de frutas do Vale do São Francisco contabilizam um prejuízo de R$ 570 milhões devido à paralisação dos caminhoneiros, que acontece desde o dia 21 deste mês. De acordo com o Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), o setor já deixou de comercializar, para os mercados interno e externo, 40 mil toneladas de uvas e 60 mil toneladas de mangas.

Também deixaram de ser comercializadas mais de 200 mil toneladas de frutas como acerola, banana, coco e mamão. O SPR informou, por meio da assessoria de comunicação, que as câmaras frias já estão com a ocupação esgotada e não há mais espaço para o armazenamento de frutas colhidas recentemente. Nos pomares da região, as frutas estão apodrecendo no campo.

Leia também:
Empresas argentinas e paraguaias registram prejuízos com a paralisação
Rodovias ainda têm 556 pontos de protestos; região Sul é a mais afetada


Além disso, ainda de acordo com o sindicato, todos os novos pedidos do mercado interno foram cancelados e falta combustível para os tratores e pulverizadores, o que pode causar perda de safras de exportação de setembro a outubro. Com isso, 80% da safra a ser colhida pode ficar comprometida por falta de mercado.

Apesar de todos os prejuízos, os produtores do Vale de São Francisco assinaram um documento em que reconhecem a legitimidade da paralisação dos caminhoneiros e solicitando aos poderes competentes a agilização das negociações, liberação das estradas e acesso aos portos.

Veja também

Em uma semana, mortes por Covid-19 aumentam em 8% e 6% de novos casos
Coronavirus

Em uma semana, mortes por Covid-19 aumentam em 8% e 6% de novos casos

Câncer de Bruno Covas atinge fígado e ossos, mostram exames
Doença

Câncer de Bruno Covas atinge fígado e ossos, mostram exames