Coronavírus

Variante britânica do coronavírus aponta para maior mortalidade, diz Boris Johnson

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris JohnsonPrimeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson - Foto: Jeremy Selwyn/Pool/AFP

A variante britânica do coronavírus, considerada muito mais contagiosa, também pode estar relacionada a uma maior mortalidade, afirmou nesta sexta-feira (22) o primeiro-ministro, Boris Johnson, em coletiva de imprensa em Londres.

"Agora também parece haver alguns indícios de que a nova variante, identificada pela primeira vez em Londres e no sudeste (da Inglaterra) pode estar associada a uma maior mortalidade", acrescentou.

No caso de um homem de cerca de 60 anos, a mortalidade no país era anteriormente de 10 pacientes por 1.000 e atualmente estaria entre 13 e 14 por 1.000, explicou o principal conselheiro científico do Executivo, Patrick Vallance.

No entanto, ele quis "destacar que há muita incerteza em torno desses números" e que é preciso "mais trabalho para ter uma compreensão precisa".

Vallance também se mostrou cauteloso: "esses indícios não são ainda sólidos, são de uma série de informações diferentes que se unem para apoiar" essa conclusão.

"Óbvio que é preocupante o aumento da mortalidade, assim como o aumento da transmissibilidade, como parece ser o caso hoje em dia", acrescentou.

País mais castigado da Europa pela pandemia, com quase 96.000 mortos confirmados pela covid-19, o Reino Unido enfrenta uma nova onda de contágios desde a descoberta em dezembro de uma mutação do coronavírus entre 50% e 70% mais contagiosa, segundo os cientistas britânicos.

Essa variante, encontrada originalmente no sul da Inglaterra, já foi detectada em pelo menos 60 países e territórios, apesar das crescentes restrições impostas às viagens.

- Coronavírus por "muito tempo" -
Até agora, as autoridades de saúde disseram que a variante não parecia mais mortal do que as anteriores e que reagia corretamente às vacinas existentes.

"Todos os indícios atuais continuam demonstrando que as duas vacinas que usamos atualmente são eficazes tanto contra a antiga variante, como contra essa nova variante", afirmou Johnson nesta sexta-feira.

Após se tornar em 8 de dezembro o primeiro país ocidental a lançar uma campanha de vacinação em massa contra a covid-19, o Reino Unido já imunizou 5,4 milhões de pessoas com os fármacos desenvolvidos pela Pfizer/BioNTech e a AstraZeneca/Oxford.

O Executivo de Johnson, muito criticado desde o início da pandemia por suas políticas na gestão da crise de saúde, agora colocou todas as suas esperanças na vacinação, para levantar seu terceiro confinamento a partir de março.

Já o confinamento desde o início da pandemia na Inglaterra parece ter gerado resultados.

Os cientistas apontam a taxa de reprodução do vírus entre 1 e 0,8 (contra 1,3 - 1,2 na semana anterior). Isso significa que cada pessoa infectada contamina entre 1 e 0,8 a mais, portanto o número de casos não deve aumentar, mas diminuir ligeiramente.

No entanto, até o momento, os hospitais do país estão lotados com o aumento dos pacientes com sintomas graves.

A situação é "muito, muito ruim neste momento, com uma enorme pressão, e em alguns casos parece uma zona de guerra em termos do que as pessoas têm que administrar", afirmou Vallance na quarta-feira, dia em que o país bateu todos os recordes, registrando 1.820 novas mortes.

Atualmente, há cerca de 38.000 pacientes de covid-19 hospitalizados, quase 4.000 deles com respiradores, um número muito maior do que na primeira onda, na primavera passada.

Mesmo com as vacinas, "teremos que conviver com o coronavírus de uma forma ou de outra por muito tempo", alertou Johnson, que esteve internado na UTI com covid-19 em abril do ano passado, quando disse temer por sua vida.

Veja também

Pernambuco inaugura 23 novos leitos de UTI para infectados
COVID-19

Pernambuco inaugura 23 novos leitos de UTI para infectados

Governador do Pará provoca aglomeração na abertura da pesca de peixe amazônico
Helder Barbalho

Governador do Pará provoca aglomeração na abertura da pesca de peixe amazônico