IRÃ

Vencedora do Nobel da Paz é condenada a um ano de prisão no Irã

A prisão foi decretada por dizer que República Islâmica não representa o povo do Irã

Ativista iraniana Narges Mohammadi ganha o Prêmio Nobel da PazAtivista iraniana Narges Mohammadi ganha o Prêmio Nobel da Paz - Foto: Narges Mohammadi Foundation/AFP

Leia também

• Prêmio Nobel da Paz iraniana Narges Mohammadi encerra greve de fome

• Nobel da Paz sai para ativista iraniana Narges Mohammadi

A ativista iraniana dos direitos das mulheres Narges Mohammadi, vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 2023 e que já está presa em seu país, foi condenada a um ano de reclusão por "propaganda contra o Estado", anunciou seu advogado nesta terça-feira (18) na rede social X.

"De acordo com o veredicto da 29ª Câmara do Tribunal Revolucionário de Teerã, Narges Mohammadi foi condenada a um ano de prisão por propaganda contra o Estado", disse Mostafa Nili.

A ativista, de 52 anos e que está detida desde novembro de 2021, foi condenada e presa em inúmeras ocasiões ao longo de 25 anos por seu compromisso contra o véu obrigatório para as mulheres e contra a pena de morte.

Ela se recusou a comparecer à audiência de seu novo julgamento em 8 de junho, depois de solicitar, sem sucesso, que fosse aberto ao público.

Nili explicou que sua cliente foi julgada por "suas declarações sobre Dina Ghalibaf (jornalista e estudante iraniana que acusou a polícia de agressão sexual) e sobre o boicote às eleições legislativas" realizadas em março no Irã.

Naquele mês, a ativista emitiu uma mensagem áudio a partir da prisão na qual denunciava uma "guerra em grande escala contra as mulheres" na República Islâmica.

No áudio, Mohammadi citou o caso de Dina Ghalibaf, que, segundo uma ONG, foi detida em meados de abril após ter acusado a polícia nas redes sociais de ter lhe agredido sexualmente durante uma detenção no metrô. Posteriormente ela foi libertada.

O representante da Justiça, Mizan Online, afirmou no dia 22 de abril que a estudante "não foi estuprada" e que a autoridade judiciária a processou por ter feito "uma declaração enganosa".

Veja também

Homem morto em atentado contra Donald Trump é identificado, diz governador da Pensilvânia
ataque a tiros

Homem morto em atentado contra Donald Trump é identificado, diz governador da Pensilvânia

Serviço Secreto dos EUA nega acusações de que teria recusado proteção adicional para Donald Trump
comício na Pensilvânia

Serviço Secreto dos EUA nega acusações de que teria recusado proteção adicional para Donald Trump

Newsletter