Venezuela rejeita suspensão do Mercosul

Chanceler Delcy Rodriguez disse que a decisão do bloco pode ser considerado um “golpe de Estado”

José Múcio Monteiro José Múcio Monteiro  - Foto: Divulgação

CARACAS (AFP) - A Venezuela denunciou como um “golpe de Estado” a decisão de seus sócios do Mercosul de suspendê-la como Estado mem­bro, o que representa a mais dura sanção de uma entidade internacional em meio à crise interna.
“É um golpe de Estado ao Mercosul e constituiria uma agressão de dimensões realmente muito graves à Venezuela”, disse ontem a chanceler Delcy Rodríguez, esclarecendo que seu país ainda não foi notificado.
Entretanto, seus homólogos de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai asseguraram, em um comunicado, ter informado a Rodríguez sobre a “suspensão (da Venezuela) do exercício dos direitos inerentes à condição de Estado Parte” do bloco.
Ao denunciar uma “lei da selva” que está “destruindo” o Mercosul, a ministra assinalou que Caracas “não reconhece este ato írrito” que empurra o grupo à ilegalidade.
Rodríguez advertiu também que a rica nação petroleira - afundado em uma grave crise política e econômica - “seguirá exercendo a presidência legítima (do Mercosul) e participará com direito a voz e voto em todas as reuniões como Estado Parte”.
Sem amigos
A suspensão ocorreu após a conclusão na última quinta-feira do prazo de três meses que os fundadores do grupo - Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai - deram ao governo de Nicolás Maduro para que incorporasse a sua legislação uma série de disposições comerciais e políticas, incluindo uma relacionada aos direitos humanos. Os três países denunciaram violações dos direitos humanos por parte do governo de Maduro como a prisão de opositores políticos, o que, para eles, impede o país de ser parte do Mercosul.
A sanção estará em vigor até que seja combinada com a Venezuela “as condições para restabelecer o exercício de seus direitos como Estado Parte”, acrescentaram os chanceleres.
A Venezuela - que entrou no bloco em 2012 - sustenta que alguns dos compromissos de adesão se chocam com suas normas internas, embora na última terça-feira tenha dito estar disposta a assinar um dos convênios comerciais pendentes, relacionado às tarifas comuns e à livre circulação de bens.
A suspensão vinha sendo desenhada desde que os outros Estados membros bloquearam, em julho, o acesso do país caribenho à presidência semestral do grupo, fundado em 1991. Em setembro, decidiram ocupar a vaga de forma colegiada e lançaram o ultimato.
Embora os membros do Mercosul não vinculem diretamente a sanção à crise interna, ela representa a censura mais forte de uma entidade internacional contra a Venezuela em meio às tensões políticas e à crise econômica, agravada pela queda dos preços do petróleo.

Veja também

Jornalista mexicano é assassinado na fronteira com os EUA, o sexto em 2020
Mundo

Jornalista mexicano é assassinado na fronteira com os EUA, o sexto em 2020

Astrônomos detectam planeta errante do porte da Terra vagando pela Via Láctea
Universo

Astrônomos detectam planeta errante do porte da Terra vagando pela Via Láctea